Rollemberg exonera diretor geral do Detran-DF

Jayme Amorim é funcionário de carreira do Departamento de Trânsito do Distrito Federal. Segundo o governo, objetivo é modernizar o órgão e oferecer um atendimento melhor ao cidadão

Renato Araújo/Agência Brasília
Renato Araújo/Agência Brasília
 

O governador Rodrigo Rollemberg exonerou nesta sexta-feira (9) o diretor-geral do Departamento de Trânsito (Detran-DF), Jayme Amorim. A decisão foi publicada no Diário Oficial do Distrito Federal. Segundo a Casa Civil, “o governo de Brasília está renovando a gestão para os próximos dois anos”. O objetivo, segundo a pasta, é a “busca por um Detran mais moderno, prezando por um atendimento cada vez melhor para o cidadão”.

O governo ainda estuda um nome para substituir Amorim no Departamento de Trânsito. Para seu lugar, assume, interinamente, o diretor adjunto, José Antônio de Araújo. Amorim é funcionário de carreira do Detran e retorna ao cargo de origem na Diretoria de Engenharia no núcleo de fiscalização, como analista administrativo.

O ex-diretor geral assumiu o cargo logo nos primeiros dias do governo Rodrigo Rollemberg. O nome dele é ligado à deputada distrital Celina Leão (PPS). Inicialmente aliada do governo, mas atualmente na oposição, a deputada deu as cartas no Detran no início da gestão do PSB na capital. Além de Amorim, outros servidores foram substituídos no governo no mesmo decreto.

Reprodução
Reprodução
 

 

No início do governo, o nome de Amorim foi a saída encontrada pelo governo para substituir o economista Antônio Fúcio – indicado para o cargo ainda durante o governo de transição. Fúcio desistiu de assumir o órgão um dia depois de ser indicado, alegando motivos de “foro pessoal”, após denúncias de que ele recebeu 50 multas de trânsito entre 2006 e 2007.

Amorim chegou a balançar no cargo algumas vezes durante os quase dois anos em que esteve à frente do Detran. No mais polêmicos dos casos, o Departamento adquiriu 14 motos BMW no valor de R$ 46,3 mil cada, mesmo após o governador ter suspendido a compra. À época, o órgão afirmou que a Procuradoria-Geral do DF considerou o processo de compra legal.

Veja a íntegra da nota da Casa Civil:

"A Secretaria da Casa Civil, Relações Institucionais e Sociais informa que o governo de Brasília está renovando a gestão para os próximos dois anos. A busca é por um Detran mais moderno, prezando por um atendimento cada vez melhor para o cidadão."

Mais sobre Brasília


Continuar lendo

Assine e obtenha atualizações em tempo real em seu dispositivo!