Rodrigo Maia articula bloco com 10 partidos e isola oposição na disputa pela presidência

Aliança vai representar 360 deputados e terá preferência para escolher seis dos sete cargos da Mesa Diretora

O presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), negocia com líderes das bancadas a formação de um bloco parlamentar com 10 partidos para garantir a sua recondução ao cargo na eleição interna marcada para quinta-feira, 2 de fevereiro.  A formalização desta aliança deve ocorrer um dia antes da votação e aglutinar uma super bancada que pode chegar a 360 deputados, o que praticamente garantirá a reeleição de Maia para um mandato até janeiro de 2019.

A aliança vai permitir aos partidos que formam este super bloco a preferência para escolher seis dos sete cargos que formam a Mesa Diretora. Este critério está previsto no regimento interno da Câmara, mas exige a elaboração de um documento assinado por todos os signatários um dia antes da votação e antes do prazo para a inscrição dos candidatos que disputarão cada uma das vagas. Com isto, partidos que estiverem fora da aliança só terão direito a indicar candidato à vaga de titular que sobrar para a Mesa Diretora.

A aliança em torno da candidatura de Rodrigo Maia vai impedir que legendas não representadas no blocão tenham nomes na Mesa Diretora em caso de reeleição do atual presidente da Casa. É a situação do PTB, que lançou o líder Jovair Arantes, e do PDT, que indicou André Figueiredo (CE), à presidência da Câmara.

Com 68 deputados, o PT não lançou candidato à presidência da Câmara. Mas o partido reivindica a ocupação dos cargos da Mesa Diretora pela proporcionalidade de cada bancada. Por este critério, os petistas teriam direito a escolher em segundo lugar o cargo que gostaria de ocupar. Mas a formação do bloco em torno de Rodrigo Maia só deixará para a legenda a última e única vaga destinada às siglas que estiverem fora do blocão.

Blocão

O blocão vai aglutinar o PMDB – a maior bancada, com 65 deputados –, que deve ficar com a primeira vice-presidência, PSDB com 48 parlamentares, PR com 39, e até o PSD, que abandonou o seu candidato informal, Rogério Rosso (DF), para aderir à campanha de Maia. A aliança envolve o PSB, com 35 deputados, o PRB que tem 22, e partidos menores como o PPS e o PHS.

Para atrair partidos que até dezembro faziam parte do Centrão, grupo formado por 12 legendas médias e criado sob a liderança do ex-presidente da Câmara Eduardo Cunha (PMDB-RJ), cassado por quebra de decoro e hoje preso em Curitiba na Operação Lava Jato, Rodrigo Maia ofereceu ao Partido da República a primeira secretaria. O cargo é o mais poderoso da Casa do ponto de vista administrativo.

O posto é uma espécie de prefeitura que cuida do funcionamento da estrutura física e executa um orçamento de R$ 6 bilhões por ano, inclusive a gerência da folha de pagamento dos servidores e dos próprios deputados. O cargo hoje ocupado pelo deputado Beto Mansur (PR-SP) foi oferecido ao deputado Fernando Giacobo (PR-PR).

Mais sobre política

Continuar lendo

Assine e obtenha atualizações em tempo real em seu dispositivo!