Revistas: mulher de Pizzolato diz que PT não enfrentou o mensalão

“Ninguém queria deixar o Brasil. Mas era preciso achar uma saída”, diz Andra Haas à Istoé

ISTOÉ

Exclusivo: mulher de Pizzolato quebra o silêncio

"Ninguém queria deixar o Brasil. Mas era preciso achar uma saída". Mulher de Henrique Pizzolato recebe ISTOÉ em Modena, na Itália, fala sobre suas angústias, critica a Justiça brasileira e acusa o PT de nunca ter enfrentado o mensalão de frente.

Em Modena, na Itália, eram cinco horas da tarde da sexta-feira 7 quando Andrea Haas, mulher do mensaleiro Henrique Pizzolato, terminou uma reunião com seus advogados. Ela acabara de receber a notícia de que o marido permaneceria na cadeia, pois o pedido de liberdade provisória lhe fora negado. Ali mesmo, no escritório, concordou em receber a reportagem de ISTOÉ. Nos primeiros dez minutos da entrevista, Andrea quase não conseguia articular as respostas. Suas mãos tremiam – fruto do nervosismo provocado pela constatação de que o plano de fuga do ex-diretor de marketing do Banco do Brasil deu errado. E a certeza de que a Justiça italiana o trataria melhor do que STF também já não era a mesma. O posicionamento de Andrea foi determinante na decisão de Pizzolato deixar o Brasil. Durante a entrevista, ela reafirma que não vislumbraram outra saída a não ser fugir do País. Andrea, no entanto, se recusou a esclarecer como foram falsificados os documentos usados por Pizzolato, não comentou sobre a situação financeira do casal na Europa e nem explicou por que razão ele votou em nome do irmão nas eleições de 2008, quando a prisão dos mensaleiros ainda não estava na agenda política brasileira. A tensão de Andrea só diminuiu quando ela começou a comentar a atuação do marido no Banco do Brasil e a criticar os ministros do STF.

ISTOÉ – Vocês imaginavam que essa prisão pudesse ocorrer agora?

Andrea Haas – Não. Não estávamos esperando por isso.

ISTOÉ – Mas a televisão mostrou que vocês ficavam com as luzes apagadas, com janelas fechadas, como se estivessem sabendo que poderiam estar sendo monitorados.

Andrea – As pessoas esquecem que estamos no inverno e por isso as janelas ficavam fechadas.

ISTOÉ – Por que vocês decidiram fugir do Brasil?

Andrea – Isso aconteceu quando ficou claro que não havia mais saída jurídica para nós. É claro que, se fosse possível escolher, não queríamos sair do Brasil. Ninguém queria deixar o País. Mas era preciso achar uma saída. Temos um monte de sobrinhos e queríamos ver o crescimento de todos eles. Também gostamos de morar no Brasil, de encontrar os amigos. Nossa vida está lá. Mas eu aprendi com meu pai que não podemos nos submeter. Nós não podemos nos submeter aos erros da justiça brasileira. Podemos até morrer, mas não podemos deixar de procurar uma saída, porque sempre existe uma saída na vida. Por isso decidimos sair do Brasil. Querem roubar nossa dignidade. Queremos uma saída. Queremos sobreviver. Temos esse direito.(...)

ISTOÉ – Como a senhora avalia o comportamento do PT em relação ao Henrique Pizzolato durante julgamento do mensalão?

Andrea – Eu acho que ao longo do julgamento muitas pessoas fingiam não ver o que estava acontecendo. Elas achavam que não seriam atingidas e não queiram se envolver. Eu também ajudei a formar esse partido. Mas eu acho que o PT nunca soube enfrentar esse processo de frente. Deixou-se carimbar.

Os bastidores da prisão de Pizzolato

Conheça os detalhes que cercaram a fuga e a detenção pela polícia italiana do ex-diretor do Banco do Brasil, em Maranello, uma cidade de 15 mil habitantes na Itália.

Henrique Pizzolato – ex-diretor de marketing do Banco do Brasil e um dos condenados no processo do mensalão – tomou a decisão de fugir do Brasil, na noite de 9 de setembro de 2013, em sua espaçosa cobertura em Copacabana, no Rio de Janeiro. A fuga foi resolvida numa conversa entre três pessoas, logo depois que, por unanimidade, o plenário do Supremo Tribunal Federal decidiu rejeitar seus embargos declaratórios, a última chance de reduzir uma pena de 12 anos e 10 meses por peculato, corrupção passiva e lavagem de dinheiro. Agora, ele está recolhido em uma cela na Casa Circondariale di Modena, no norte da Itália, desde a última quarta-feira 5, quando foi encontrado pela polícia italiana no apartamento de um sobrinho, engenheiro da Ferrari.

Aécio monta seu time

A oito meses das eleições, pré-candidato tucano começa a definir os principais nomes que integrarão seu staff eleitoral.

Preocupado em largar na frente na corrida eleitoral, o pré-candidato tucano à Presidência Aécio Neves se antecipa na formação do time que levará para a campanha. Na última semana, o senador de Minas Gerais começou a escalar nomes para compor a sua equipe eleitoral. Parte de seu staff ficará responsável por alinhavar o programa de governo, que será apresentado junto ao lançamento oficial de sua candidatura dentro de apenas um mês, em São Paulo. Os demais integrantes cuidarão dos palanques, da articulação política, da mobilização nas redes sociais e do contato com empresários. Uma inovação da campanha de Aécio se dará na área do marketing. Numa tentativa de se diferenciar do PT, que nas últimas três eleições contratou a peso de ouro figuras consagradas do marketing político, como Duda Mendonça e João Santana, Aécio decidiu não adotar a figura do marqueteiro. Preferiu montar um conselho com a presença de figuras de proa de agências de publicidade e produtoras de tevê. Paulo Vasconcelos, que já trabalhou em campanhas anteriores do próprio Aécio, vai integrar o colegiado, mas sem cargo de comando. “As decisões serão tomadas em conjunto, de forma democrática, respeitando as diferentes opiniões e experiências. Esperamos atingir um eleitorado mais amplo e diverso, como é o brasileiro, sem clichês e estereótipos”, diz à ISTOÉ um dirigente tucano.

A nova mulher de FHC

Patrícia Kundrát é 46 anos mais nova que Fernando Henrique e conta com a admiração dos amigos e dos filhos do ex-presidente. E, mesmo após assinar o contrato de união estável, o casal mora em apartamentos separados.

Dedicada, ciumenta, impositiva, vaidosa na medida certa e muito, muito discreta. É dessa forma que boa parte dos amigos do ex-presidente costuma se referir a Patrícia Kundrát, a nova mulher de Fernando Henrique Cardoso. Ex-secretária-executiva do Instituto FHC, Patrícia tem 36 anos, dedica-se a temas sociais como o problema das drogas, mas faz questão de não emitir publicamente suas posições políticas. Essa postura, somada à forma como conduziu o namoro, que teve início em 2011, e oficializou sua união com o ex-presidente de 82 anos na quarta-feira 29, explica por que os amigos insistem em defini-la como discreta. Apenas dois advogados e um escrivão compareceram ao apartamento de FHC para que fosse assinado o registro da união estável. Os três filhos de Fernando Henrique foram consultados antes e aprovaram o novo casamento do pai. Os amigos do casal, mesmo os mais íntimos, só souberam que o namoro se transformara em união estável depois que o documento já estava assinado. Mas não se surpreenderam. “Foi assim quando começaram a namorar. Eles não costumam dar sinais”, disse à ISTOÉ, na quinta-feira 6, um ex-ministro e frequentador do apartamento de FHC em São Paulo. Os que visitam a casa de campo de Fernando Henrique em Ibiúna (SP) também não se mostraram surpresos com a união. “Acho ótimo que eles tenham oficializado o relacionamento. Foi muito bom para ele, que estava precisando de uma companhia”, disse Maria Helena Gregori.

 

ÉPOCA

A dieta paleolítica

Raízes, verduras e carne, muita carne. As virtudes - e os riscos - da dieta que prega a volta aos alimentos do homem das cavernas

Exclusivo: como o grupo de Anthony Garotinho tenta sabotar as UPPs no Rio de Janeiro

O assassinato de uma policial na semana passada no Rio de Janeiro foi parte de uma reação do crime, que se junta à atuação de políticos que sabotam a paz

Em verdadeiras operações de guerra, com tanques da Marinha e militares do Exército, o poder público retomou o controle de favelas cariocas dominadas por criminosos. De 2008 até hoje, foram reconquistadas 252 comunidades, onde vive 1,5 milhão de pessoas. Antes dessas ações, as áreas eram territórios de traficantes e milicianos, que desfilavam com fuzis e metralhadoras na mão. Para evitar que a bandidagem voltasse ao poder, o governo do Rio de Janeiro instalou Unidades de Polícia Pacificadora (UPPs) nos principais morros retomados. Já há 36 UPPs com 9 mil policiais militares. Nestes seis anos, os homicídios diminuíram 65% nas comunidades ocupadas. Apesar das batalhas vitoriosas, a guerra não está ganha. Há muitas favelas para ocupar e, mesmo nas comunidades já retomadas, os bandidos ainda sonham em reconquistar os territórios perdidos. Mais recentemente, os criminosos passaram a adotar a tática de guerrilha. Em ataques-relâmpago contra as UPPs, disparam tiros de fuzil, granadas e coquetéis molotov.

As autoridades já esperavam essas dificuldades. A surpresa são os novos inimigos: os sabotadores da pacificação. O objetivo desse grupo também é territorial, mas no campo político. Suas armas são as ameaças, a perseguição, a produção de dossiês e uma série de outros artifícios para instalar o medo na população e desacreditar a segurança pública. Esses agentes do subterrâneo têm endereço conhecido e comando estabelecido. Eles operam num bunker na Rua Senador Dantas, no centro do Rio de Janeiro. Na liderança do grupo, estão o ex-governador Anthony Garotinho e o ex-chefe da Polícia Civil Álvaro Lins.

Pré-candidato a governador do Rio de Janeiro, Estado que já administrou de 1999 a 2002, Garotinho chama a ação nas favelas de “farsa da pacificação”. Seu objetivo é minar a administração de Sérgio Cabral, seu principal adversário político, e atacar sua maior conquista, o programa das UPPs, que reduziu os homicídios na capital em 48%. Se a coisa ficasse apenas no plano eleitoral, seria do jogo. Mas Garotinho extrapolou. Por meio de seu blog, ele divulga dossiês contra o secretário de Segurança Pública, José Mariano Beltrame. A torrente de acusações foi tamanha que, no ano passado, Beltrame entrou com uma queixa no Supremo Tribunal Federal. Na ação judicial, Beltrame afirma que os ataques contra ele ameaçam sua credibilidade e reputação diante da polícia. “O blog é um permanente corpo de delito”, diz a queixa ao STF.

Apagão na Copa

Os erros que deixaram o Brasil à beira de uma crise de energia

 

VEJA

Barbárie

Um passo à frente, dois para trás. Reportagem em VEJA desta semana mostra como, apesar da inclusão social e do aumento de renda das classes baixas, o país emperra com problemas de planejamento, falta de segurança e infraestrutura precária. O resultado é a saturação da população, que responde com atos de bárbarie.

Cubanos

A médica que desertou conta detalhes do regime de escravidão

Especial

Os brasileiros são os que mais procuram imóveis em Miami

Justiça

O deboche dos mensaleiros. A arrecadação dos petistas na internet

 

CARTA CAPITAL

A verdade sobre os impostos

Quem realmente paga pelas distorções do sistema tributário e quem deveria pagar mais

Lucro dos bancos: quem ganha, quem perde?

Duas notícias quase simultâneas forneceram uma boa fotografia do que o Brasil se tornou. Na primeira, descobrimos, o lucro líquido do Itaú em 2013 alcançou os 15,7 bilhões de reais, o maior da história dos bancos brasileiros, segundo estudo da consultoria Economática. Enquanto isso, o Bradesco apresentava o segundo maior lucro do ano, 12 bilhões de reais. Apenas duas instituições financeiras embolsaram quase 28 bilhões de reais, isto em uma economia de crescimento estagnado. Na segunda 3, a outra informação: a produção industrial caíra 3,5% em dezembro em comparação a novembro, a maior retração em cinco anos.

Diante desses dados, é difícil não lembrar de uma bela frase do presidente da Islândia, Olafur Grimsson: “Uma economia com bancos muito fortes é sinal de um país que vai mal”. Não só pelo fato de uma nação atrativa para investimento especulativo, no qual aplicar dinheiro em cassinos travestidos é o melhor negócio, nunca conseguirá financiar o desenvolvimento da criatividade empreendedora de seu povo. Mas principalmente porque uma economia com bancos fortes destrói tudo à sua volta.

Continuar lendo

Assine e obtenha atualizações em tempo real em seu dispositivo!