Revistas: Congresso estoura gasto com hora extra apesar de descanso

Deputados e senadores param na Copa e vão receber salários integrais por apenas três dias de trabalho. Apesar da baixa produção do Congresso, estouraram os gastos com horas extras.

ISTOÉ

De volta à vida

O tratamento cada vez mais sofisticado durante e depois do coma permite que um número maior de pacientes retome suas atividades cotidianas após a experiência

Descanso e hora extra

Deputados e senadores param na Copa e vão receber salários integrais por apenas três dias de trabalho. Apesar da baixa produção do Congresso, estouraram os gastos com horas extras.

Em tempos de Copa do Mundo, estrangeiros de diferentes sotaques lotam a Praça dos Três Poderes, em Brasília, tentando levar para casa fotos com um pouquinho da obra do arquiteto Oscar Niemeyer. O Congresso é um dos prédios mais procurados. Nas visitações, porém, os turistas poderão ver a estrutura que abriga o Legislativo, mas somente com muita sorte vão esbarrar em algum parlamentar brasileiro em plenário. Ninguém está trabalhando durante a Copa: Câmara e Senado se deram férias. Em maio, os parlamentares tentaram antecipar a justificativa da paralisação convocando um “esforço concentrado”. Deputados e senadores prometeram que pegariam no batente de segunda-feira a sexta-feira para diminuir a fila de projetos prioritários que lotam a pauta das Casas. Mas abandonaram a empreitada. Com a promessa quebrada, o mês de junho vai chegando ao fim e os parlamentares fecharão mais um mês com vencimentos de R$ 26,7 mil e cota de gastos que variam de R$ 21 mil a R$ 44 mil por mês para remunerar três dias de trabalho.

Enquanto os parlamentares mantêm seus rendimentos intocáveis, apesar do recesso branco, os servidores conseguiram uma façanha ainda maior. No moroso ano de 2014, recheado por feriados, Copa do Mundo e convenções partidárias, o Congresso gastou R$ 6 milhões a mais em horas extras para seus funcionários, o equivalente a 23,8% das despesas do ano passado. De fevereiro a maio, a conta dos serviços extraordinários na Câmara e no Senado chegou a R$ 33 milhões. A hora extra no Congresso geralmente é paga para funcionários que precisam trabalhar até tarde, para acompanhar sessões deliberativas extraordinárias. O descanso dos últimos dois meses, no entanto, não fecha com o aumento do desembolso para horas extras. A pauta enxuta do Legislativo deixou o contracheque dos servidores mais encorpado em pelo menos R$ 2,6 mil mensais, pagamento pelo excesso de trabalho.

A melhor copa da história?

Estádios lotados, festa nas ruas, embates históricos, craques no melhor da forma, recordes dentro de campo. Em apenas uma semana, o Mundial no Brasil já está entre os mais extraordinários de todos os tempos

O perigoso caminho do odio

Debate pautado pela raiva, xingamentos e divisão entre pobres e ricos prejudicam o debate político e afastam ainda mais o eleitor da campanha presidencial.

Uma campanha que murcha

PSB culpa Marina Silva pela estagnação da candidatura de Eduardo Campos. Sem trazer os votos esperados, ela estaria dificultando alianças e atrapalhando a arrecadação.

"PT e PSDB são meus adversários"

Paulo Skaf, candidato do PMDB ao governo paulista, quer manter distância da eleição nacional

 

ÉPOCA

Não vai ser nada fácil

As seleções que ameaçam o hexa. O previsível uso político da Copa. Nosso bom humor por um fio. Os gols magníficos, as viradas surpreendentes, o belo futebol, as seleções que assustam o Brasil – e como devemos enfrentá-las.

Denúncias contra um pastor atingem o deputado Garotinho

As denúncias de envolvimento do pastor Marcos Pereira da Silva com o narcotráfico

Momento esportivo

Os números impressionantes da Copa, como os do holandês Robin van Persie

A exploração política do futebol

O frágil bom humor da torcida brasileira

A vitória do Chile sobre a Espanha

Pelé relembra os difíceis momentos do Mundial de 1966

A invasão argentina na Copa

Sobrenatural de Almeida

Sob a sombra do sombrero de "Sombre"

Agenda positiva

Como Canoas, em Porto Alegre, facilita a vida de empreendedores

Entrevista

Steven Kelman, professor da Universidade Harvard

 

VEJA

Copa: só alegria até agora

Cobertura especial de 30 páginas em VEJA desta semana mostra que em número de gols, vitórias e viradas, o Mundial do Brasil lembra a época romântica do futebol. Fala ainda dos efeitos do evento na política e na economia, dos limites da tecnologia aplicada aos jogos e dos personagens que se destacam na Copa.

Exclusivo

Testamos o programa de computador que fura a fila da compra de ingressos no site da Fifa. Funciona. Mas é justo?

Justiça

Joaquim Barbosa deixa a relatoria do mensalão

Expedição VEJA

Os recentes avanços tecnológicos da agricultura brasileira

 

CARTA CAPITAL

Brasil: recorde em homicídios

As condições de vida melhoraram. Os gastos com segurança aumentaram. E a violência não diminui

Sidney Santiago Kuanza

Com passagens pelo cinema e pela tevê, ator elege o teatro para si e reestreia 'Engravidei, Pari Cavalos e Aprendi a Voar sem Asas' no Centro Cultural da Juventude

Rap do Pequeno Príncipe

O moderno e o arcaico se unem no cinema do Recife

Ciclo no Centro Cultural Banco do Brasil, em São Paulo, tenta dar conta do prolífico painel da produção pernambucana

Pelé

O disse-me-disse das Copas

Enquanto a bola rola no Mundial no Brasil cercada de intrigas, histórias do passado revelam o padrão de corrupção da Fifa

Lula entrou em campo

Ele voltou como cabo eleitoral, e é um dos trunfos, mas não o único, para a reeleição da presidenta Dilma Rousseff

O tamanho do PT

O partido perdeu apoio nos últimos anos, mas continua a ser de longe a principal, quando não a única, legenda reconhecida pela maioria da população

Protestos: poucas bandeiras e muitos cassetetes

CartaCapital acompanhou os atos em em BH, Rio, SP e Curitiba. Movimentos sociais representativos ficaram de fora e violência policial foi constante.

Mais sobre Copa do Mundo

Nosso jornalismo precisa da sua assinatura

Continuar lendo