Revista que sugeriu trancar domésticas para não votarem em Dilma é processada

Artigo publicado em 2014 que sugeria trancar empregadas domésticas e porteiros motivou ação civil pública por parte do Ministério Público do Trabalho. Defesa diz que autor do texto estava sendo irônico e que houve "erro de interpretação"

A revista Actual Magazine, de Mogi das Cruzes (SP) é alvo de um processo aberto pelo Ministério Público do Trabalho (MPT) devido a um artigo publicado em 2014, antes das eleições presidenciais, que sugeria "trancar 'secretárias do lar' em casa, interditar as casas de forró e proibir os porteiros de saírem dos prédios", e, assim, impedi-los de votar em Dilma Rousseff.

O MPT considerou que o texto foi discriminatório e ofendeu duas categorias profissionais:  a das domésticas e dos porteiros. O órgão moveu uma ação civil pública pedindo que a revista fosse condenada a pagar R$ 500 mil por dano moral coletivo. As informações são da colunista Mônica Bergamo, do jornal Folha de S.Paulo.

O artigo é assinado pelo colunista Anderson Magalhães, que também propunha "cancelar os voos vindos do Nordeste". Segundo a defesa do autor, Magalhães estava sendo irônico e houve "evidente e incrível erro de interpretação de alguns leitores". Depois da repercussão, Anderson Magalhães publicou outro texto pedindo desculpas e afirmou que sua intenção era "questionar os estereótipos" e fazer "uma crítica velada". Em fevereiro, uma ação contra o mesmo artigo movida pelo Ministério Público Estadual de São Paulo foi arquivada.

O comportamento da mídia brasileira em relação ao impeachment de Dilma Rousseff também tem sido objeto de grande polêmica. O assunto foi tratado de forma provocadora em recente debate promovido pela Agência Pública, organização jornalística sem fins lucrativas com a qual o Congresso em Foco mantém parceria.

 

Mais sobre as eleições de 2014

Íntegra da coluna de Mônica Bergamo na Folha

Continuar lendo

Assine e obtenha atualizações em tempo real em seu dispositivo!