Relator pede cassação de Vargas, mas conselho só deve decidir em setembro

Os deputados Sibá Machado, Zé Geraldo, Izalci e Rosane Ferreira pediram vista do parecer. Caso seja aprovado pelo conselho, o parecer vai ser encaminhado para votação aberta no plenário da Câmara

O deputado Júlio Delgado (PSB-MG) recomendou ao Conselho de Ética e Decoro Parlamentar da Câmara a cassação do mandato do deputado André Vargas (sem partido/ ex-PT-PR), que responde a um processo no colegiado por suposto envolvimento com o doleiro Alberto Youssef, preso na Operação Lava Jato, deflagrada pela Polícia Federal (PF) em março último para desbaratar um esquema de lavagem de dinheiro que teria movimentado R$ 10 bilhões.

Relator do processo, Júlio Delgado concluiu que Vargas quebrou o decoro parlamentar ao ter atuado na intermediação junto ao Ministério da Saúde em favor do laboratório Labogen, de Alberto Youssef, e também errou ao viajar em um jatinho providenciado pelo doleiro.

"O deputado André Vargas se insere no contexto de uma imensa rede criminosa especializada na lavagem de dinheiro e na evasão de divisas como o agente responsável por abrir as portas de órgãos da administração pública direta e indireta para que o Labogen pudesse voltar a atuar no mercado bioquímico, principalmente em parcerias com o próprio governo", diz Delgado em trecho do parecer, apresentado ao conselho quase na madrugada desta quarta (6).

Pedido de vista

Os deputados Sibá Machado (PT-AC), Zé Geraldo (PT-PA), Izalci (PSDB-DF) e Rosane Ferreira (PV-PR) pediram vista do parecer. Por isso, a apreciação do parecer pelo conselho foi adiada e a votação deve ocorrer somente em setembro. A Câmara marcou para a primeira semana do que mês que vem outro “esforço concentrado”, considerando que os parlamentares estão envolvidos com campanhas eleitorais.

Caso seja aprovado pelo Conselho de Ética, o parecer, com a recomendação pela perda do mandato,  ainda precisa ser encaminhado ao plenário da Câmara para votação aberta.

André Vargas compareceu ontem ao Conselho de Ética e sustentou que não houve quebra de decoro. No entanto, ele disse que pretendia prestar depoimento somente hoje, após oitivas de quatro testemunhas de defesa, e que não estava preparado naquele momento para responder questões. O pedido foi rejeitado.

O ex-petista, que ocupava o cargo de vice-presidente da Câmara antes do escândalo, anunciou que vai recorrer à Comissão de Constituição, Justiça e Cidadania (CCJ) da Câmara e ao Supremo Tribunal Federal (STF) sob o argumento de que houve cerceamento ao seu direito de defesa.

O relator rebateu dizendo que todas as testemunhas listadas pela defesa e o próprio Vargas foram convidados para depor no conselho, mas alguns não compareceram. Júlio Delgado vê manobra por parte do parlamentar paranaense na tentativa de manter o mandato e atrasar o desfecho do processo.

Houve ainda uma tentativa de afastamento de Delgado da relatoria. A defesa de André Vargas apresentou um pedido de suspeição, mas o presidente do Conselho de Ética, deputado Ricardo Izar (PSD-SP), decidiu mantê-lo no cargo após consultar os integrantes do colegiado.

 

Mais sobre Petrobras

Mais sobre a Operação Lava Jato

Assine a Revista Congresso em Foco em versão digital ou impressa

Continuar lendo

Assine e obtenha atualizações em tempo real em seu dispositivo!