Recessão econômica pode chegar a três anos, estima banco

Projeções do banco Credit Suisse avaliam que contração do PIB deve durar até 2017. Três anos de retração da economia é inédito no país

Os efeitos da crise econômica que o país atravessa podem reverberar por pelo menos mais três anos, cenário que não se repete desde 1901, quando teve início a série histórica. Segundo informações do jornal Folha de S. Paulo, projeções de analistas para o desempenho do PIB em 2016 seguem piorando, consequência do desempenho negativo da economia no final de 2015 e no início deste ano.

O banco Credit Suisse, por exemplo, vinha trabalhando com o índice de 3,5% de contração do PIB, porém agora espera que a taxa fique mais próxima de 4%, mesma estimativa da organização para 2015. O recuo continua em 2017, entre 0,5% e 1%.

Historicamente, a última ocasião em que o PIB encolheu por dois anos seguidos foi em 1930-1931, quando a economia de todo o mundo passava por um período de recessão após a quebra da bolsa de Nova York. Três anos de retração da economia é algo inédito no país.

Na última sexta-feira (5) o Itaú Unibanco anunciou esperar a contração de 4% do PIB em 2016. A projeção inicial do recuo era de 2,8%. Já para 2017, estima-se uma tímida expansão de 0,3%.

Já a consultoria MB Associados calcula seus índices baseando-se em dois cenários: com e sem a presidente Dilma. Com a presidente fora do governo, espera-se uma queda de 3% do PIB neste ano e uma expansão de 0,6% no ano que vem.  Porém, caso a tentativa de impeachment seja frustrada e Dilma permaneça no poder, os números mudam para duas contrações de 4,1% e 1%.

Leia a reportagem completa no jornal Folha de S. Paulo

Mais sobre crise econômica

Continuar lendo

Assine e obtenha atualizações em tempo real em seu dispositivo!