Ré na Lava Jato e aliada de Cunha assume secretaria no Rio

Solange Almeida foi nomeada por Pezão para a Secretaria de Proteção e Apoio à Mulher e ao Idoso. Ex-deputada federal, ela é acusada de negociar US$ 5 milhões em propina a pedido de Eduardo Cunha

 

Ré na Operação Lava Jato e aliada do ex-presidente da Câmara  Eduardo Cunha (PMDB), a ex-deputada federal Solange Pereira de Almeida foi nomeada secretária de Proteção e Apoio à Mulher e ao Idoso no Rio de Janeiro. A nova pasta foi criada pelo governador Luiz Fernando Pezão na última sexta-feira (10). Solange foi deputada federal e prefeita do município de Rio Bonito (RJ) até o ano passado.

Segundo denúncia do MPF, enquanto esteve na Câmara, a deputada teria usado o cargo na área de Fiscalização Financeira e Controle da Câmara para pressionar os envolvidos em um esquema de pagamento de propina oriunda de contrato de aquisição de navios-sonda pela Petrobras junto ao estaleiro sul-coreano Samsung.

Aliada de Cunha, Solange apresentou à Comissão requerimentos pedindo ao Tribunal de Contas da União (TCU) e ao Ministério de Minas e Energia informações sobre Júlio Camargo, Samsung e o grupo Mitsui - envolvidos nas negociações de um dos contratos. Cunha teria sido o mentor da estratégia. Porém, ambos negam as acusações.

Eduardo Cunha atualmente está preso. Ele é réu por corrupção passiva e lavagem de dinheiro. Segundo a denúncia, ele recebeu de lobistas pelo menos US$ 5 milhões em propina da compra de navios-sonda pela Petrobras. Solange teria auxiliado Cunha na negociação.

Segundo o decreto do governador do Rio de Janeiro, a nova secretaria comandada por Solange não acarretará em aumento de despesas para o estado. Antes de tornar-se uma pasta de fato, as políticas para as mulheres eram comandadas de dentro da Secretaria de Assistência Social e Direitos Humanos.

Com informações do jornal O Globo

Leia a íntegra da matéria do Globo

Mais sobre Operação Lava Jato

Continuar lendo

Assine e obtenha atualizações em tempo real em seu dispositivo!