Senado carimbou texto do governo, diz Randolfe

Para senador do Psol, Casa agiu como se não fizesse diferença para a República. Oposição espera de que Judiciário cancele efeito da votação do Senado e diz ter vergonha do trâmite da proposta

Uma das principais vozes contrárias à aprovação da MP dos Portos no Senado, Randolfe Rodrigues (Psol-AP) criticou a postura do presidente da Casa, Renan Calheiros (PMDB-AL), na condução da sessão que aprovou a Medida Provisória 595/12, a MP dos Portos, no Senado. Ele informou que a oposição estuda apresentar uma ação direta de inconstitucionalidade para cancelar a sessão desta quinta-feira (16), quando a matéria foi aprovada por larga margem de votos.

Para ele, o que aconteceu no Senado foi mais que um "tratoraço". "O tratoraço acontece quando a maioria impõe algo à minoria. O que vimos hoje foi mais que isso. O Senado agiu como se não fizesse diferença para a República, chancelando, carimbando um texto que não pode sequer analisar", reclamou. Para Randolfe, a prerrogativa de Casa Revisora do Senado foi fortemente desrespeitada hoje e abre precedentes graves. "O Senado não esteve à altura de personalidades que passaram por aqui. Me sinto aviltado nas minhas atribuições. O povo do meu estado me elegeu para que eu pudesse cumprir minhas obirgações, e hoje não pude fazer isso", lamentou.

O líder do DEM na Casa, José Agripino Maia (RN), também reclamou do resultado. "O senado fez o que o seu mestre, no caso a mestra, mandou", disse em referência à pressão feita pela presidenta Dilma Rousseff sobre o Congresso. Sobre a possibilidade de vetos ao texto aprovado, Agripino recomendou que Dilma use "lupas" para analisar a medida. "Não sei o que veio da Câmara, até porque veio muita coisa sob suspeita. O texto não é nem ao menos conhecido de nossa parte. Ele chegou às 11h da manhã e foi posto guela a baixo para os senadores. Ninguém sabe exatamente o que está por trás de cada vírgula e de cada acento do texto da Câmara. Se ela vai vetar ou não, ela que examine o texto com uma lupa", alfinetou.

O senador oposicionista disse acreditar que o Supremo Tribunal Federal pode deliberar sobre um mandado de segurança para suspender a votação do Senado. No entanto, a Advocacia-Geral da União já se pronunciou e afirmou que MP dos Portos "é questão interna" do congresso.

Continuar lendo

Assine e obtenha atualizações em tempo real em seu dispositivo!