Randolfe diz que ação contra ele no Conselho de Ética é retaliação

Senador recorre ao STF para barrar processo com base em denúncia já arquivada

O senador Randolfe Rodrigues (Rede-AP)denunciou nesta terça-feira (15) que o processo aberto contra ele no Conselho de Ética do Senado é uma retaliação política por ter pedido a cassação do colega Delcídio do Amaral (PT-MT), preso na Operação Lava Jato. A ação, de iniciativa do presidente do conselho, João Alberto (PMDB-MA), reabre a denúncia feita em 1999 pelo ex-deputado estadual Fran Junior de que Randolfe teria recebido propina quando era deputado estadual no Amapá.

"Esta é uma ação caluniadora com o objetivo de atrapalhar o funcionamento do Conselho. O senador João Alberto adotou o método do gangsterismo", disse Randolfe.

O congressista contestou, junto ao Supremo Tribunal Federal (STF), o pedido de abertura de processo contra ele no conselho e pediu ao tribunal que suspenda a ação por falta de objeto, já que a mesma denúncia já foi arquivada pelo ex-procurador-geral da República Roberto Gurgel, bem como pelo atual chefe do Ministério Público, Rodrigo Janot.

A mesma denúncia contra Randolfe envolve o também senador João Capiberibe (PSB-AP), ex-governador do Amapá. Mas a ação iniciada por João Alberto não menciona Capiberibe. O autor da denúncia contra Randolfe responde a processo por denunciação caluniosa e falsificação de documentos, entre outros crimes.

Continuar lendo

Assine e obtenha atualizações em tempo real em seu dispositivo!