Questionado pelo MPE, Feldman entrega mandato ao PSDB

Suplente no exercício do mandato, ele participou da elaboração da Rede Sustentabilidade com Marina Silva. Porém, como registro não foi concedido pelo TSE, decidiu entrar no PSB. Deputado garante não recorrer no processo

O deputado Walter Feldman (PSB-SP) informou nesta quinta-feira (28), em nota oficial, que vai entregar o mandato ao PSDB, partido que foi filiado por 25 anos, após a decisão do Ministério Público Eleitoral (MPE) em pedir os cargos de 13 parlamentares por infidelidade partidária. Também acrescentou que não a intenção de apresentar recursos ao processo protocolado hoje pelo órgão. O caso será relatado pelo ministro do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) Gilmar Mendes.

Feldman foi um dos principais auxiliares da ex-senadora Marina Silva na criação da Rede Sustentabilidade, partido que não conseguiu o registro de funcionamento no TSE em outubro passado. Sem o registro da Rede para concorrer nas eleições de 2014, parlamentares que apoiavam a empreitada de Marina Silva tomaram outros destinos. Miro Teixeira (RJ) deixou o PDT e entrou no Solidariedade. Mesmo destino teve Domingos Dutra (MA) ao se desfiliar do PT.

Enquanto Reguffe (PDT-DF) permaneceu no partido, Alfredo Sirkis (ex-PV-RJ) e Feldman entraram no PSB junto com Marina. "Sentindo-me com dever cumprido com o antigo partido e com a conduta ética ao entregar o mandato, deparo-me agora com a questão legal. Diante da posição da Procuradoria, não apresentarei nenhum recurso e recoloco novamente o meu mandato à disposição do PSDB. Não há como mudar o caminho, temos que encontrar uma nova forma de caminhar", disse na nota.

O ex-tucano está no mandato por conta do afastamento do titular, Rodrigo Garcia (DEM-SP), secretário de Desenvolvimento Econômico de São Paulo, e do suplente, Silvio Torres (PSDB-SP), secretário de Habitação do governo paulista. Feldman teve a mesma atitude quando ajudava na criação da Rede. No entanto, um acordo feito com os presidentes nacional do PSDB, Aécio Neves, e estadual, Duarte Nogueira, garantiu que o cargo não seria cobrado na Justiça.

Leia a íntegra da nota:

"São Paulo, 28 de novembro de 2013.

NOTA

Em virtude do pedido pela Procuradoria Geral da República pela perda dos mandatos dos parlamentares que trocaram de partidos, esclareço:

Depois de 25 anos no PSDB, partido o qual fui um dos fundadores, decidi que era à hora de uma mudança na política nacional, dedicando-me assim à criação da Rede Sustentabilidade.

Com a recusa do registro pela Justiça Eleitoral, Marina Silva, eu e outros companheiros optamos pela filiação ao PSB. Imediatamente coloquei à disposição do PSDB, através dos líderes na Câmara dos Deputados, Carlos Sampaio e Duarte Nogueira, o meu mandato, para o qual fui eleitor democraticamente pelo voto popular, sendo por eles recusado.

Sentindo-me com dever cumprido com o antigo partido e com a conduta ética ao entregar o mandato, deparo-me agora com a questão legal. Diante da posição da Procuradoria, não apresentarei nenhum recurso e recoloco novamente o meu mandato à disposição do PSDB. Não há como mudar o caminho, temos que encontrar uma nova forma de caminhar.

WALTER FELDMAN
Deputado Federal – PSB /SP"

Leia mais sobre o troca-troca partidário

Continuar lendo

Assine e obtenha atualizações em tempo real em seu dispositivo!