Quase 40% dos campeões de voto têm problemas na Justiça

Reportagem de O Globo revela que boa parte dos mais votados para a Câmara e para o Senado são investigados em procedimentos na Justiça. Crimes vão de desrespeito à Lei Seca a crime de tortura

Boa parte da nova composição da Câmara e do Senado, que toma posse em 1º de fevereiro, é investigada em procedimentos na Justiça. De acordo com levantamento publicado pelo jornal O Globo, 40 dos 108 mais votados nos estados têm pendências judiciais. Os crimes vão de desvios de recursos e improbidade administrativa a tortura e desrespeito à Lei Seca.

Um dos exemplos dados pelo jornal é do delegado Eder Mauro (PSD), mais votado para a Câmara no Pará. O pessedista foi denunciado por um crime de tortura envolvendo um pai e sua filha de dez anos. Porém, a Justiça entendeu de forma diferente. O que houve, na visão dos magistrados, foi ameaça. Como já prescreveu, o caso acabou arquivado.

Outro nome citado pelo O Globo é do ex-governador do Mato Grosso do Sul Zeca do PT. Mais votado no estado, o petista é citado em dez ações de improbidade que tramitam na Justiça. Sua defesa diz que ele já foi absolvido de duas, e que Zeca não possui qualquer tipo de vínculo com o caso do “escândalo da farra da publicidade”.

Não são apenas os novos parlamentares que possuem processos. O deputado Jair Bolsonaro (PP-RJ), campeão de votos no Rio de Janeiro, responde a um inquérito no Supremo Tribunal Federal (STF) por crime ambiental - pesca ilegal em Angra dos Reis. Ex-ministro dos Transportes, Alfredo Nascimento (PR), terceiro mais votado no Amazonas, é investigado por falsidade ideológica e crime de responsabilidade.

Leia a íntegra no site do jornal O Globo

Leia mais sobre processos

Mais sobre as eleições

Assine a Revista Congresso em Foco

Continuar lendo

Assine e obtenha atualizações em tempo real em seu dispositivo!