Quase 40 deputados já trocaram de partido apenas 20 dias após início da janela partidária

 

Desde que a janela partidária começou oficialmente, no dia 8 de março, pelo menos 38 deputados já trocaram de partido, aponta levantamento do Congresso em Foco atualizado até esta terça-feira (27). Em ano eleitoral, pelo menos outros sete parlamentares avaliam uma mudança de sigla e adiam a decisão para os últimos dias. Segundo a legislação vigente, os parlamentares podem aderir ao troca-troca de partidário sem o risco de perder o mandato entre os dias 8 de março e 7 de abril.

Na prática, o que o levantamento revela, em sintonia com a dinâmica que este site tem verificado na janela partidária, é que são quase duas trocas de partido por dia desde que o prazo foi aberto. E, a depender da velocidade das negociações, que apresenta a combinação entre potencial de votos e recursos do fundo partidário, essa média pode até aumentar nos próximos dias.

<< Partidos fazem balcão de negócio para atrair novos deputados

<< Com negociação de dinheiro e tempo de TV, Câmara terá mês de “feira livre” com trocas partidárias

Apesar de ainda não ter contabilizado nenhuma nova saída desde a semana passada, o MDB continua sendo o partido com maior número de baixas, com sete perdas – oito, incluindo Laura Carneiro (DEM-RJ), que se desfiliou antes mesmo do início da janela.

Na via oposta, a legenda anuncia o reforço do ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, em seus quadros. Atualmente filiado ao PSD, Meirelles e Michel Temer (MDB) têm avaliada a possibilidade de uma chapa puro-sangue na corrida presidencial. A filiação do novo emedebista está marcada para a próxima terça-feira (3/abr).

<< Meirelles confirma filiação ao MDB, mas decisão sobre candidatura fica para semana que vem

<< Ao menos metade dos deputados do MDB do Rio sinaliza desfiliação em meio a desgaste da sigla

Entre as bancadas estaduais, a carioca, impulsionada pelas sete debandadas do MBD, lidera o ranking de desfiliações. São, até o momento, 10 deputados trocando de partido.

Presidenciáveis aumentam bancadas

Na intenção de impulsionar a campanha de Jair Bolsonaro (RJ), o nanico PSL é a sigla que mais cresceu até o momento, com nove deputados recém-chegados ou de malas prontas.

Entretanto, com a chegada de Bolsonaro e seus apoiadores, o PSL perde dois dos três nomes que já tinha na Casa: a mineira Dâmina Pereira já está de mudança para o Podemos, enquanto Alfredo Kaefer (PR) ainda avalia a qual sigla se filiará. Victório Galli (PSC-MT) ainda não confirmou suas filiações até a última atualização deste levantamento.

Já o Democratas, partido do presidente da Câmara e pré-candidato à Presidência da República, Rodrigo Maia (RJ), é o segundo partido que mais ganhou deputados, com sete novos nomes. O aumento das fileiras do DEM também pode impulsionar a campanha de Maia ao criar palanques em diferentes estados e aumentar a força política dentro da Casa.

Quem ainda avalia se fechará com a sigla é o deputado Arthur Oliveira Maia (PPS-BA), que ganhou projeção ao relatar a reforma da Previdência.

Confira a última atualização da janela partidária*:


* Atualizada em 27 de março

**Esta matéria foi atualizada às 16h37 com a confirmação da ida de Major Olímpio para o PSL.

<< Bolsonaro quer bancada de pelo menos 20 deputados no PSL para turbinar corrida presidencial

<< Acordo para comando em 24 comissões na Câmara prevê salvaguarda contra infidelidade partidária

Continuar lendo

Assine e obtenha atualizações em tempo real em seu dispositivo!