PT é vítima de ‘prisões seletivas’, afirma Rui Falcão

As declarações do presidente do PT ocorrem um dia após a prisão do ex-ministro da Casa Civil e ex-presidente da sigla José Dirceu, no âmbito da Lava Jato

Ao comentar a prisão do ex-ministro-chefe da Casa Civil José Dirceu, na 17ª fase da Operação Lava Jato, o presidente nacional do PT, Rui Falcão, defendeu nesta terça-feira (4) o combate à corrupção, mas fez críticas à condução das investigações. Ele afirmou que o partido está sendo prejudicado como o que chamou de "prisões seletivas".

“O combate implacável à corrupção deve continuar, mas não de forma seletiva, sem o espetáculo midiático, não com a inversão do ônus da prova, não com prisões preventivas sendo objeto de coação para forçar delação”, disse Falcão. Dirceu teve a prisão preventiva decretada pela Justiça Federal do Paraná sob a acusação de utilizar a sua empresa, a JD Assessoria como uma companhia de fachada para recebimento de propina de recursos desviados de obras da Petrobras.

Em entrevista coletiva à imprensa na sede do partido em Brasília, Falcão explicou que o partido sofre processo de “criminalização” por setores da sociedade. “Prossegue a escalada dirigida por setores conservadores, pela mídia monopolizada, por alguns partidos da oposição, tentando, como sempre, criminalizar nosso partido, de modo a fragilizar o governo da presidenta Dilma e atingir a popularidade do [ex-] presidente Lula.”

As declarações do presidente do PT ocorrem um dia após a prisão de José Dirceu, ex-ministro da Casa Civil e ex-presidente do próprio PT, no âmbito da Lava Jato. Falcão acrescentou que não há culpados até que sejam apresentadas provas.

“Não estamos abandonando nenhum companheiro.  Mas, independente disso, não se deve presumir a culpa. Para mim, qualquer pessoa que seja acusada, não só o Zé Dirceu, é inocente até que se prove o contrário.”

As declarações de Falcão vão ao encontro de uma nota divulgada hoje à tarde pelo partido. “Se o princípio da presunção da inocência é violado, se o espetáculo jurídico-político-midiático se sobrepõe à necessária produção de provas […], se prisões preventivas sem fundamento são feitas e prolongadas para constranger psicologicamente e induzir denúncias […], não é a corrupção que está sendo extirpada. É um estado de exceção sendo gestado em afronta à Constituição e à democracia”, diz um trecho do comunicado.

A nota também faz críticas ao ataque contra o Instituto Lula, atingido por um artefato explosivo arremessado de dentro de um carro contra o local. “[O atentado] merece o repúdio de todos os democratas e exige das autoridades a identificação dos responsáveis e sua punição exemplar”. Na nota, o partido se diz “indignado” pela “conveniência silenciosa de certos meios de comunicação e partidos, que se dizem democráticos, com o atentado de caráter fascista”.

Na entrevista, Falcão informou que o mês de agosto terá uma série de manifestações de rua com participação do PT. Dentre elas, a Marcha das Margaridas (caravana de trabalhadoras rurais rumo a Brasília), dias 11 e 12 de agosto, e o Ato Nacional pela Educação, dia 14 de agosto. Esse último, também marcado para Brasília, deverá contar com a presença de Lula.

Dois dias depois do Ato pela Educação, está marcada uma manifestação nacional contra o governo de  Dilma Rousseff. Em relação a essa manifestação, Falcão disse: "É um direito que eles têm de fazer as manifestações. Espero que transcorra sem violência, sem depredações”.

Com informações da Agência Brasil

Mais sobre Operação Lava Jato

Continuar lendo

Assine e obtenha atualizações em tempo real em seu dispositivo!