PT despenca da terceira para a décima posição em número de prefeituras; veja o ranking

Em 2012, partido tinha 630 prefeitos Brasil afora, e agora vê esse número cair para 256 (queda de 59,40%). Apenas um petista detém o comando de uma capital brasileira em 2016 – Marcus Alexandre, reeleito em Rio Branco

Com apenas uma prefeitura de capital assegurada, o Partido dos Trabalhadores foi a legenda que mais perdeu prefeitos nas eleições municipais de 2016 (veja quadro geral abaixo). Há quatro anos, quando a então presidente Dilma Rousseff estava em seu segundo ano de mandato, o PT tinha 630 prefeitos Brasil afora, e agora vê esse número cair para 256 (queda de 59,40%). No quadro geral de titulares em prefeituras, os petistas agora figuram na décima colocação – em 2012, o PT figurava no pódio da representatividade municipal, em terceiro lugar, atrás apenas de PMDB (1.015 nomes) e PSDB (686).

Atribui-se, em outros fatores, aos desdobramentos da Operação Lava Jato o enfraquecimento do PT em escala nacional. Conta para o cenário negativo o impeachment da presidente Dilma Rousseff, que ainda reverbera no imaginário do eleitorado. Como efeito das noticias negativas, o partido conseguiu emplacar um prefeito: Marcus Alexandre, reeleito para o comando de Rio Branco em primeiro turno (há quatro anos, quatro petistas se elegeram para capitais). Resta ao partido mais uma disputa em segundo turno. Mesmo assim, como demonstra a relativa popularidade de Lula – um dos principais alvos da Lava Jato e, paradoxalmente, expoente da política brasileira –, o partido ainda encontra amparo em figuras históricas, como Eduardo Suplicy, o vereador mais votado do país em 2016.

Em termos percentuais, o Partido Republicano Brasileiro, considerado uma legenda de médio porte, foi um dos que mais aumentaram seu índice de representação em prefeituras: de 79 para 104 prefeitos, aumento de 31,6%. Na parte de cima da lista, embora tenha aumentado sua performance em apenas 1,2%, o PMDB continua com amplo domínio das prefeituras brasileiras, com 1.027 cadeiras. Com a vitória de João Doria em São Paulo – e já em primeiro turno, algo que não acontecia desde 1992 –, o PSDB não só vê a saída do PT da mais poderosa prefeitura da América Latina, frustrando as expectativas de reeleição para Fernando Haddad, como também fatura politicamente com o resultado folgado. E, de quebra, testemunha a conquista de 791 prefeituras neste ano, crescimento de 15,30% em relação a 2012.

Os tucanos também foram os que mais elegeram prefeitos já em primeiro turno. Além de João Doria, Firmino Filho teve mais da metade dos votos válidos em Teresina, capital do Piauí. O PSDB também é a legenda está em mais disputas para prefeituras em segundo turno, com oito nomes no páreo, seguido pelo PMDB, com seis postulantes na segunda etapa de votações.

Confira o quadro geral de prefeituras por partido:

 

Partido 2012 2016 Variação
PMDB 1.015 1.027 1,20%
PSDB 686 791 15,30%
PSD 495 537 8,50%
PP 474 494 4,20%
PSB 434 412 -5,10%
PDT 304 334 9,90%
PR 274 294 7,30%
DEM 276 265 -4%
PTB 298 261 -12,40%
PT 630 256 -59,40%
PPS 122 118 -3,30%
PRB 79 104 31,60%
PV 99 100 1,00%
PSC 82 87 6,10%
PCdoB 51 80 56,90%
SD 0 62 *
Pros 0 51 *
PHS 16 36 125,00%
PSL 23 30 30,40%
PTN 12 30 150,00%
PMN 42 28 -33,30%
PRP 23 19 -17,40%
PTdoB 25 15 -40%
PTC 19 15 -21,10%
PEN 0 14 *
PRTB 16 10 -37,80%
PSDC 10 9 -10,00%
Rede 0 5 *
PPL 11 4 -63,60%
PMB 0 3 *
Psol 1 2 100%

* O partido ainda não havia sido criado em 2012.

 

Confira aqui os resultados das eleições de 2016 – primeiro turno

Mais sobre eleições

Continuar lendo

Assine e obtenha atualizações em tempo real em seu dispositivo!