Psol quer convocar ex-deputada para esclarecer requerimentos atribuídos a Cunha

CPI da Petrobras mantém na gaveta há mais de um mês pedido de convocação de Solange Almeida. Reportagem da Folha de S.Paulo diz que requerimentos suspeitos assinados por ela aparecem como de autoria de Eduardo Cunha

O Psol cobrou da CPI da Petrobras, nesta terça-feira (28), a convocação da ex-deputada e atual prefeita de Rio Bonito (RJ) Solange Almeida (PMDB-RJ) para esclarecer a autoria de dois requerimentos atribuídos pelo doleiro Alberto Youssef ao presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ). Desde março, a CPI mantém na gaveta um pedido de convocação da ex-parlamentar apresentado pelo deputado Ivan Valente (Psol-SP).

Reportagem de hoje da Folha de S.Paulo revela que o peemedebista aparece, nos registros eletrônicos da Câmara, como “autor” dos arquivos em que foram redigidos os requerimentos sob suspeita no esquema de corrupção da Petrobras. Segundo o doleiro Alberto Youssef, os pedidos foram apresentados para chantagear um empresário que pagava propina ao PMDB.

“A convocação da ex-deputada é urgente. Apresentamos requerimento há mais de um mês, mas ele ainda não foi apreciado. Diante das graves acusações é fundamental que a Solange venha à CPI prestar esclarecimentos”, defendeu Ivan Valente.

Versões conflitantes

Em depoimento à Polícia Federal, Solange Almeida assumiu a autoria dos requerimentos e isentou Eduardo Cunha de responsabilidade. Esta, porém, não é a versão de Youssef. O doleiro, que colabora com as investigações em troca da redução de sua pena, afirma que o grupo de Cunha ameaçou com questionamentos na Comissão de Fiscalização e Controle o empresário Júlio Camargo, representante das empresas Samsung e Mitsui no Brasil, depois que ele suspendeu os repasses ao lobista Fernando Soares, acusado de ser operador do PMDB no esquema.

O jornal O Globo mostrou, em março, que dois requerimentos contra Camargo foram apresentados na Comissão de Fiscalização Financeira e Controle por Solange Almeida, aliada de Cunha. Neles, a deputada pedia informações ao Tribunal de Contas da União (TCU) e ao Ministério de Minas e Energia sobre contratos da Mitsui e a Petrobras.  Os pedidos, segundo o doleiro, eram uma forma de pressionar o executivo e as empresas por ele representadas a retomarem os pagamentos ao PMDB.

Na reportagem de hoje, a Folha informa que o sistema oficial da Câmara aponta Eduardo Cunha como autor dos dois arquivos em que foram produzidos os requerimentos assinados por Solange e autenticados em seu gabinete. "Pode ser um funcionário dela que pode ter ido lá pedir à [minha] assessoria pra fazer, acontecia com vários deputados, até porque ela era suplente", respondeu o deputado ao jornal paulista.

"Não fiz"

Em depoimento à CPI da Petrobras, o presidente da Câmara negou qualquer relação com os requerimentos e Fernando Soares. "Eu não fiz qualquer requerimento pra quem quer que seja. Cada um é responsável por seu mandato, como é que eu tenho conhecimento do que alguém faz ou deixa de fazer? Cada um responde por seus atos", declarou à época.

O peemedebista responde a investigação no Supremo Tribunal Federal (STF) decorrente da Operação Lava Jato.  Em seu depoimento, o doleiro acusou o presidente da Câmara de receber propina no esquema de desvios da Petrobras por um contrato de aluguel de um navio-plataforma das duas empresas.

Mais sobre a Operação Lava Jato

Continuar lendo

Assine e obtenha atualizações em tempo real em seu dispositivo!