PSDB dividido sobre impeachment tenta sintonia em encontro

Primeira Oficina de Planejamento Estratégico do partido vai tentar discurso unificado sobre impedimento de Dilma. Partido aposta em parecer técnico encomendado a jurista

Sem consenso sobre um eventual pedido de impeachment da presidenta Dilma Rousseff, a cúpula do PSDB se reúne na próxima sexta-feira (24), em Brasília, para tentar sintonizar o discurso na Primeira Oficina de Planejamento Estratégico do partido. O ex-presidente da República Fernando Henrique Cardoso protagonizará a abertura do evento, enquanto o senador Aécio Neves (MG) participará do encerramento do encontro.

A necessidade de harmonização dos posicionamentos tucanos ficou mais evidente depois de o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso ter afirmado no domingo (19), durante evento empresarial no sul da Bahia, que partidos pediram impeachment sem embasamento jurídico é “precipitação”. Essa opinião é compartilhada pelo governador paranaense Beto Richa e pelos senadores José Serra (SP) e Tasso Jereissati (CE).

“Impeachment não pode ser tese. Ou houve razão objetiva ou não houve razão objetiva. Quem diz se é objetiva ou não é a Justiça, a polícia, o tribunal de contas. Os partidos não podem se antecipar a tudo isso, não faz sentido ”, disse FHC, defendendo o respeito às “regras da democracia”.

Por sua vez, Aécio também tem preferido não defender abertamente um processo imediato de impedimento presidencial, mas defende o debate do assunto e tem estimulado movimentos sociais a defendê-lo. Pressionado no Senado, na última quarta-feira (15), por grupos que organizaram as manifestações de rua contra o governo, Aécio passou a defender o impeachment, mas com parcimônia – o tucano espera que questões como a auditoria do Tribunal de Contas da União contestando as contas do governo deem munição para justificar a formalização do pedido no Congresso.

Reportagem do jornal O Globo desta terça-feira (21) lembra que o próprio Aécio está dividido em relação ao tema. “Derrotado na eleição do ano passado, Aécio tende a continuar se equilibrando entre o compromisso que assumiu com a liderança das manifestações e a garantia de que não tomará nenhuma atitude em prol do impedimento da presidente Dilma sem ter uma argumentação jurídica clara para sua existência”, diz trecho da matéria.

Segundo a publicação, parlamentares classificaram como “litúrgica” a manifestação de Fernando Henrique Cardoso, mas acreditam que ela não terá força para alterar a disposição das bancadas do PSDB, na Câmara e no Senado, em defender o impeachment. “Fernando Henrique é litúrgico. Respeitamos, mas [seu posicionamento] não muda a opinião das bancadas”, sentenciou o líder da Minoria na Câmara, Bruno Araújo (PSDB-PE).

Tucanos apostam no parecer encomendado pelo partido ao jurista Miguel Reale Júnior com o objetivo de apontar, tencicamente, alternativas de fundamentação para o pedido de impedimento. “São várias opiniões no partido. Mas há a prevalência da tese de que temos o dever de propor [o impeachment] se as condições jurídicas existirem”, emendou o senador Alvaro Dias (PR).

Mais sobre o Brasil nas ruas

Continuar lendo

Assine e obtenha atualizações em tempo real em seu dispositivo!