Pastor desiste da CDH, mas quer a relatoria do Estatuto da Família

Sóstenes Cavalcante retira candidatura à presidência da Comissão de Direitos Humanos, mas reivindica relatoria do chamado Estatuto da Família, que veta a adoção de crianças por casais homossexuais. CDH deve ficar com petista

Em uma articulação da liderança do PSD, a legenda retirou a candidatura avulsa do deputado Sóstenes Cavalcante (PSD-RJ) à presidência da Comissão de Direitos Humanos e Minorias na Câmara (CDH). Dessa forma, a CDH deve ser comandada pelo deputado Paulo Pimenta (PT-RS), como foi acordado inicialmente pelos líderes partidários. A eleição que deve confirmar o nome de Pimenta ocorrerá na próxima quarta-feira (11).

Ontem (4), integrantes da bancada evangélica na Casa lançaram a candidatura avulsa de Sóstenes Cavalcante, pastor da Assembleia de Deus e aliado do também pastor Silas Malafaia. Sua candidatura foi apoiada por parlamentares como Jair Bolsonaro (PP-RJ) e Pastor Marco Feliciano (PSC-SP).

No entanto, nesta quinta-feira (5), o líder do PSD, deputado Rogério Rosso (DF), anunciou que, por decisão da bancada, Sóstenes passará a integrar a suplência da CDH. A decisão retira do pastor a prerrogativa de se candidatar à presidência da comissão. Em contrapartida, o partido reivindica a indicação de Sóstenes Cavalcante para a relatoria do chamado Estatuto da Família.

Atualmente, o projeto tem como relator o deputado Ronaldo Fonseca (Pros-DF), também pastor da Assembleia de Deus. A proposta reconhece como família apenas a união entre um homem e uma mulher e veta, na prática, a adoção de crianças por casais homossexuais.

A decisão do PSD foi um pedido também do presidente da Casa, Eduardo Cunha (PMDB), como forma de cumprimento de acordos com os demais partidos que compõem a Câmara.  “Queremos possibilitar ao parlamentar a oportunidade de relatar o Estatuto da Família. Desta forma, o PSD cumpre o acordo com todas as demais legendas e, principalmente, respeita a ideologia e convicção religiosa de seu correligionário”, afirma o partido em nota oficial expedida na tarde desta quinta-feira.

Mais sobre a Comissão de Direitos Humanos

Mais sobre igrejas

Mais sobre LGBT

Continuar lendo

Assine e obtenha atualizações em tempo real em seu dispositivo!