Protestos contra Cunha e ajuste fiscal ganham as ruas

Movimentos sociais protestaram neste domingo contra medidas de ajuste fiscal do governo e contra a permanência de Eduardo Cunha na Presidência da Câmara. Mobilizações ocorreram dez cidades

O deputado Eduardo Cunha (PMDB-RJ) foi alvo de protestos em várias regiões do país neste domingo (08). Ao todo, dez cidades aderiram o ato nacional “Fora Cunha, Não ao Ajuste”, organizado pela Frente Nacional de Mobilização Povo Sem Medo. Movimentos sociais e sindicatos protestaram contra as medidas de ajuste fiscal do governo e pediram a saída do peemedebista da Presidência da Câmara.

Em São Paulo, durante o início da tarde os manifestantes se concentraram no vão no Masp, e em seguida tomaram conta de parte da avenida Paulista, rumo ao Parque Ibirapuera. De acordo com a Polícia Militar, 600 pessoas participaram da mobilização, porém, os organizadores calculam que cerca de 20 mil compareceram ao protesto. Representantes de 27 movimentos sociais participaram da manifestação na capita paulista.

“Somos contra o ajuste fiscal porque ele está cortando os direitos trabalhistas, está cortando os programas sociais e está fazendo o trabalhador pagar a conta pela crise [econômica brasileira]”, defendeu um dos organizadores, Guilherme Boulos. O líder social também justificou que o ato defende a saída de Cunha por causa das medidas “antipopulares e conservadoras” tomadas pelo parlamentar.

Em São Paulo e em Brasília manifestantes queimaram bonecos representando Cunha. A mobilização para os protestos se espalhou principalmente pelas redes sociais. Na página do evento no Facebook, 3,7 mil pessoas confirmaram presença nas manifestações, que também aconteceram em Porto Alegre, Curitiba, Belo Horizonte, Belém, Palmas, Goiânia e Uberlândia.

No Rio de Janeiro, cerca de 200 pessoas fecharam a entrada do condomínio onde mora o deputado, na Barra da Tijuca. O presidente da Câmara enfrenta um processo no Conselho de Ética da Câmara por quebra de decoro parlamentar, e foi formalmente denunciado ao Supremo Tribunal Federal (STF) na condição de um dos principais personagens da Operação Lava Jato.

O Projeto de Lei 5.069, de autoria de Cunha, também foi alvo de protesto por parte de movimentos feministas. O projeto criminaliza a divulgação de informações sobre o aborto e restringe a venda de medicamentos abortivos.

Brasília

Em Brasília os manifestantes se concentraram na rodoviária do Plano Piloto, de onde saíram caminhando até o gramado em frente Congresso Nacional. Um grupo de manifestantes pró-impeachment da presidente Dilma está acampado no local e acompanhou o protesto à distância. A Polícia Militar formou um cordão de isolamento separando os dois grupos.

De acordo com a coordenadora nacional do MTST, Maria Almeida, o objetivo da manifestação não era provocar o grupo contrário e sim “dizer que o povo não vai pagar a conta pela crise”, além de protestar contra a “criminalização dos movimentos sociais” e defender “a saída do Cunha”.

“Do nosso ponto de vista de movimentos sociais, eles [grupo pró-impeachment] têm o direito de estar aqui. Nós somos um movimento pacífico”, disse. Segundo ela, o ato não era a favor do governo, nem em defesa da presidente Dilma Rousseff. “Nossa pauta é essa, o governo que pegue a parte que lhe cabe”, disse.

Coordenador do Movimento Brasil Livre, Alexandre Paiva, também considerou que o protesto da Frente Povo Sem Medo é um “direito democrático de livre manifestação”, e disse acreditar que a polícia seria suficiente para manter o clima de paz.

“Hoje as lideranças disseram que vão ficar pacificamente. Esperamos que siga assim e depois voltem para as casas deles. Nós vamos ficar indefinidamente, até que o processo de impeachment seja colocado em votação”, disse.

 

(Com informações da Agência Brasil)

Leia também:

Deputado defende 'consciência' médica contra aborto

Mais sobre Eduardo Cunha

Mais sobre ajuste fiscal

Continuar lendo

Assine e obtenha atualizações em tempo real em seu dispositivo!