PROS projeta bancada com até 32 deputados

Ato na Câmara apresentou os representantes do novo partido, que recebeu semana passada autorização do TSE para funcionar. Dirigentes também confirmaram entrada de Cid e Ciro Gomes na legenda

A três dias do fim da janela partidiária, o Partido Republicano da Ordem Social (PROS) projetou nesta quarta-feira (2) a formação de uma bancada com até 32 deputados na Câmara. No entanto, até o momento quase metade deste número está confirmada para representar a legenda no resto da legislatura. Além disso, os dirigentes da sigla, que recebeu autorização do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) em 24 de setembro, confirmaram as filiações do governador do Ceará, Cid Gomes, e do ex-ministro Ciro Gomes, recém saídos do PSB.

Por enquanto, seis deputados já oficializaram sua situação no PROS. O líder do partido é Givaldo Carimbão (AL), que deixou o PSB após a guinada do partido de Eduardo Campos à oposição. Com ele, já fazem parte da bancada Ademir Camilo (ex-PSD-MG), Dr. Jorge Silva (ES), Hugo Leal (ex-PSC-RJ), Major Fábio (ex-DEM-PB) e Ronaldo Fonseca (ex-PR-DF). No entanto, segundo Carimbão, outros 11 já estão confirmados e mais sete em conversas bem adiantadas. Um senador governista também pode entrar na legenda.

Entre os deputados confirmados no PROS, a maioria desembarcou do PSB. Dos 17, cinco saíram do partido dirigido pelo governador de Pernambuco, Eduardo Campos. Também trocaram de legenda parlamentares que estavam no PR - Fonseca e Vicente Arruda (CE) -, no DEM, PTB (José Augusto Maia, de Pernambuco), do PDT (Salvador Zimbaldi, de São Paulo) e do PP. "Ainda temos outros que não podemos confirmar", disse Carimbão.

De acordo com o líder do PROS, o partido terá na Câmara uma atuação independente. No entanto, já nasce prometendo dar "sustentabilidade política" ao governo de Dilma Rousseff.  "O PROS dará ao Brasil grandes contribuições. Já nascemos como o sétimo maior partido brasileiro", disse o deputado alagoano. Dirigentes da sigla anunciaram também a filiação de 60 deputados estaduais, 300 prefeitos e cerca de 4 mil vereadores.

Um dos novos deputados da legenda, Hugo Leal disse ter saído do PSC por conta de "questões internas". Um dos motivos citados pelo deputado fluminense para se desfiliar foi o fato de o antigo partido defender a redução da maioridade penal. "Eu defendo a atual idade e mudanças no Estatuto da Criança e do Adolescente. As outras questões serão discutidas internamente", afirmou o deputado, que chegou a negociar a entrada no PSB.

Um dos fatores que atraiu os deputados é a promessa de o PROS se alinhar à coalizão de apoio de Dilma Rousseff. Leal, por exemplo, disse que preteriu o PSB pela ida do partido de Eduardo Campos para a oposição. Márcio Junqueira, que é suplente no exercício do mandato pelo PP, brincou que estava trocando a "base pela base".

Governador

Além de anunciar os deputados, o PROS também confirmou a entrada dos irmãos Cid e Ciro Gomes no partido. A presença dos dois era esperada no evento no Salão Nobre da Câmara. Eles não apareceram, mas o governador do Ceará mandou uma mensagem por telefone ao presidente da legenda, Eurípedes Junior. Ex-vereador em Planaltina (GO), Eurípedes colocou o aparelho no viva-voz para os presentes ouvirem o recado.

"Queremos contribuir ao país através desta legenda", afirmou o governador. Para ele, o PROS poderá ajudar na "construção de um projeto de país" e manterá o apoio a Dilma. Após sair do PSB insatisfeito com a postura do presidente do partido, Cid levou o irmão e os quatro deputados da legenda para o PROS. O prazo de filiação para poder concorrer às eleições de 2014 termina no sábado (5).

Outros textos sobre as eleições 2014

Continuar lendo

Assine e obtenha atualizações em tempo real em seu dispositivo!