Presidência chama áudios da JBS de “armação” de “grupo de meliantes” contra honra de Temer

 

A Presidência da República divulgou nota classificando como "grande armação" de um "grupo de meliantes" o conteúdo das gravações feitas pelos executivos Joesley Batista e Ricardo Saud, da Honding J&F. A nota cita os mais recentes vazamentos de conversas entre Joesley, Saud e advogados do grupo em áudios recuperados pela Polícia Federal e divulgados pela revista nesta sexta-feira (29).

“A cada nova revelação das gravações acidentais dos delatores da JBS, demonstra-se cabalmente a grande armação urdida desde 17 de maio contra o presidente Michel Temer. De forma sórdida e torpe, um grupo de meliantes aliou-se a autoridades federais para atacar a honradez e dignidade pessoal do presidente, instabilizar o governo e tentar paralisar o processo de recuperação da economia do país”, diz o texto assinado pela Secretaria Especial de Comunicação Social da Presidência da República.

Nos áudios divulgados pela revista, os executivos falam sobre o acordo de delação premiada que estava sendo firmado com a Procuradoria-Geral da República (PGR) e as chances de conseguirem obter os benefícios que buscavam. Para a Presidência, os áudios revelam uma “conspiração” contra o presidente, que enfrenta sua segunda denúncia na Câmara feita pelo ex-procurador-geral Rodrigo Janot. O ex-procurador-geral acusa Temer organização criminosa e obstrução de Justiça.

“As acusações caem uma após a outra, revelando a verdade da conspiração que foi construída durante meses. 'Eles querem f...r [o termo foi omitido para publicação nesta matéria] o PMDB', sentencia o advogado Francisco de Assis, sem saber que está sendo grampeado por Joesley Batista. Mostrando todo planejamento da ação controlada que o grupo da JBS tentou fazer contra o país, Assis acrescenta: 'Viu, seguinte, Joesley, no momento certo, temos de dar sinal pro Lúcio pular dentro. Aí ele fecha a tampa do caixão'”, menciona nota do governo.

Joesley e Saud estão presos há pouco mais de duas semanas por suspeita de omissão de informações durante o acordo de delação premiada. A prisão foi pedida pelo então procurador-geral da República, Rodrigo Janot, pouco antes de deixar o cargo.

“O país não pode ficar nas mãos de criminosos e bandidos que manipulam autoridades, mercado, mídia e paralisam o país. É hora de retornar o caminho do crescimento e da geração de emprego. […] Cabe agora, diante de tão grave revelação, ampla investigação para apurar esses fatos absurdos e a responsabilização de todos os envolvidos, em todas as esferas”, conclui a nota.

Nesta sexta-feira (29) Temer foi para São Paulo se encontrar com o jurista Antônio Cláudio Mariz, advogado que atuou na defesa da primeira denúncia, já rejeitada pelos deputados.

Leia íntegra da nota da Presidência:

"A cada nova revelação das gravações acidentais dos delatores da JBS, demonstra-se cabalmente a grande armação urdida desde 17 de maio contra o presidente Michel Temer. De forma sórdida e torpe, um grupo de meliantes aliou-se a autoridades federais para atacar a honradez e dignidade pessoal do presidente, instabilizar o governo e tentar paralisar o processo de recuperação da economia do país.

Agora, descobre-se que integrantes do Ministério Público Federal ficaram decepcionados com a gravação que usaram para embasar a primeira denúncia contra o presidente. “Eu acho, Fernanda, que precisam construir melhor a história do Temer. Não ficou muito claro. Eu acho que quando ouviram o Temer não gostaram muito. Tinham uma expectativa maior”. E isso dito por Ricardo Saud, uma das vozes usadas para atacar o presidente por dias, semanas, meses no noticiário nacional.

As acusações caem uma após a outra, revelando a verdade da conspiração que foi construída durante meses. “Eles querem f...r o PMDB”, sentencia o advogado Francisco de Assis, sem saber que está sendo grampeado por Joesley Batista. Mostrando todo planejamento da ação controlada que o grupo da JBS tentou fazer contra o país, Assis acrescenta:

“Viu, seguinte, Joesley, no momento certo, temos de dar sinal pro Lúcio pular dentro. Aí ele fecha a tampa do caixão”. Falavam sobre Lúcio Funaro, delator que foi incluído numa segunda denúncia contra o presidente pelo ex-procurador-geral da República Rodrigo Janot, cujas ambições de comandar o país são ressaltadas pelos delatores. “Janot quer ser o presidente da República, ou indicar quem vai ser”, diz Joesley. Funaro, por sua vez, já havia enganado o Ministério Público Federal e a Justiça em delação anterior. Não mudou suas práticas.

O país não pode ficar nas mãos de criminosos e bandidos que manipulam autoridades, mercado, mídia e paralisam o país. É hora de retornar o caminho do crescimento e da geração de emprego. Não se pode mais tolerar que investigadores atuem como integrantes da Santa Inquisição, acusando sem provas e permitindo a delatores usarem mecanismos da lei para fugir de seus crimes. Cabe agora, diante de tão grave revelação, ampla investigação para apurar esses fatos absurdos e a responsabilização de todos os envolvidos, em todas as esferas."

<< Delação de Funaro mira Temer e uma dezena de deputados do PMDB

<< Deputados réus ajudaram a livrar Temer de virar réu

Continuar lendo

Assine e obtenha atualizações em tempo real em seu dispositivo!