PPS recorre e volta a pedir o fim das regalias de Eduardo Cunha

Deputado Arnaldo Jordy (PPS-PA) recorreu da decisão do juiz que negou a suspensão das regalias conferidas pelo mandato de deputado de Eduardo Cunha (PMDB-RJ). Os custos da Casa com o presidente afastado chegam a quase R$ 500 mil

O vice-líder do PPS na Câmara, deputado Arnaldo Jordy (PA), recorreu nesta sexta-feira (10) da decisão do juiz Eduardo Penteado, do Tribunal Regional do DF, que negou o pedido de suspensão das regalias do presidente afastado da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ). Os gastos da Câmara dos Deputados com a manutenção das despesas de Cunha chegam a quase meio milhão de reais mensais.

No recurso, o deputado argumenta que se Cunha, por ter sido afastado do cargo pelo Supremo Tribunal Federal, não poderia praticar nenhum ato relacionado ao seu mandato de deputado federal. Jordy alega que o peemdebista não etá em condições de usufruir de prerrogativas e de regalias que só se justificam quando relacionadas ao efetivo exercício dos cargos de deputado federal e de presidente da Câmara.

O parlamentar afirma ainda que a decisão do juiz vai de encontro aos anseios da sociedade brasileira, “que exige transparência e parcimônia com o gasto público, principalmente quando o beneficiário é um parlamentar que se encontra fora do exercício do mandato por decisão da suprema corte do país”.

“Não há nenhuma justificativa plausível para que o erário tenha que suportar o ônus da manutenção de tamanha estrutura para quem, sequer, encontra-se no regular exercício do mandato”, sustentou Arnaldo Jordy na ação.

Veja a íntegra do recurso

Mais sobre Eduardo Cunha

Continuar lendo

Assine e obtenha atualizações em tempo real em seu dispositivo!