Sucessão na Câmara: oposição a Dilma fecha apoio a Rodrigo Maia

Parlamentares dizem que candidatura de Maia (DEM) surge dos partidos que, desde o início, fizeram oposição ao governo Dilma. As quatro legendas juntas contabilizam 110 deputados

Em reunião realizada nesta quarta-feira (13), membros das bancadas do PSDB, PPS, PSB e DEM fecharam acordo para defender a candidatura do deputado Rodrigo Maia (DEM-RS) na eleição para a Presidência da Câmara. As quatro legendas contam com 110 deputados. Júlio Delgado (PSB-MG), que também havia colocado seu nome para a disputa, resolveu não registrar a candidatura em nome da unidade dos partidos.

O líder do PSDB na Câmara, Antônio Imbassahy (BA), destacou que foram feitos inúmeros encontros entre as lideranças partidárias para que o acordo fosse fechado. "Buscamos a mesma solução, o bom propósito", avaliou. Ele destacou os momentos de "constrangimento" e "graves dificuldades" vividos pela atual presidência e direção da Casa.

"Precisamos ter a Casa pacificada, normalizar o seu funcionamento e enfrentar uma agenda que interessa o país. Estamos aqui não apenas tratando de fortalecimento de partidos ou pessoas. Estamos buscando implantar uma pauta que vá na direção da reconstrução da economia nacional. Estancar o desemprego e recuperar a renda das famílias brasileiras. Restabelecer a confiança da população em uma instituição que sempre foi sólida", acrescentou Imbassahy.

“Esse é o resultado da unidade dos partidos que denunciaram o estelionato eleitoral, a corrupção e a incompetência do governo Dilma e construíram uma nova alternativa de poder. Além dos votos das quatro bancadas temos certeza que vamos ter apoio de outros partidos para chegar ao segundo turno”, afirmou o líder do PPS, Rubens Bueno (PR).

Roberto Freire (SP), presidente nacional do PPS, ressaltou que a candidatura única está dentro da estratégia de consolidação do impeachment da presidente afastada Dilma Rousseff. “A candidatura surge dos partidos que desde o início fizeram oposição ao governo Dilma e isso se afirma cada vez mais. Não é uma candidatura que divide a atual base de Michel Temer. Dentro da base somos um grupo dos mais significativos”, destacou Freire.

Mais sobre Legislativo em crise

Mais sobre eleição da Mesa

Continuar lendo

Assine e obtenha atualizações em tempo real em seu dispositivo!