Popó: agressividade nos ringues, discrição no Salão Verde

Por enquanto, ex-campeão de boxe tem atuação apagada no Congresso e já se envolveu em denúncia de nepotismo cruzado com Marcelo Crivella

Campeão mundial de boxe, o deputado Acelino Popó chegou ao Congresso na condição de suplente, mas sem qualquer traço de coadjuvante. No início de fevereiro, à época da posse, era um dos parlamentares mais assediados da legislatura atual – flashes, fãs e curiosos dificultavam inclusive um simples deslocamento do gabinete para o plenário. Chegou a ser divulgada uma luta de boxe entre o senador Eduardo Suplicy (PT-SP), pugilista amador, e Popó, num desproporcional combate que não chegou a ser realizado.

Leia:
Suplicy diz que vai enfrentar Popó no ringue

Mas as luzes da ribalta também revelam o outro lado do teatro político – e Popó percebeu que deve ficar atento a interesses terceiros. Reportagem publicada pelo portal iG em 17 de junho mostrou que o genro do senador Marcelo Crivella (PRB-RJ), Daniel Brandão Lopes, estava lotado no gabinete do ex-pugilista. A situação funcional de Daniel, devido ao grau de parentesco com Crivella, correligionário de Popó, afronta uma das hipóteses de nepotismo descritas na Súmula 13, do Supremo Tribunal Federal (“parentes de terceiro grau civil em qualquer dos Poderes da União”, o que Daniel negou em ofício).

Segundo o veículo on-line, Daniel exercia o cargo de secretário parlamentar com remuneração mensal de até R$ 7 mil, considerados os penduricalhos salariais (o salário real era de R$ 3.540,00). Crivella disse que não sabia da contratação do genro. Já Popó declarou que o funcionário executa “serviços externos” na área de comunicação.

Popó é titular da Comissão de Turismo e Desporto e suplente da Comissão de Seguridade Social e Família. É autor de dois projetos de lei. Um deles é o PL 734/2011, apresentado em 16 de março, que Autoriza o Poder Público a criar o Programa Viver de Bem – Sem Estigma e Preconceito no Brasil, que visa “dar visibilidade aos direitos humanos dos grupos populacionais marginalizados pela discriminação ou preconceito de raça, cor, etnia, religião ou procedência nacional, gênero, sexo, orientação sexual e identidade de gênero”.

A matéria aguarda parecer na Comissão de Direitos Humanos.

Popó também apresentou o Projeto de Lei 733/2011, que disciplina pontos dos artigos 19 e 226 da Constituição, ambos referentes à vedação imposta ao Poder Público de criar distinções e preferências entre brasileiros e à especial proteção do Estado à família. A matéria ainda não entrou na pauta do colegiado.

Popó também apresentou três requerimentos à Secretaria Geral da Mesa: um para que seu nome fosse excluído do pedido de criação de CPI para investigar indícios de irregularidade na Confederação Brasileira de Futebol; um voto de pesar pela morte do boxeador Tairone Silva, promessa do esporte assassinado em março aos 16 anos, em Porto Alegre, e um para que seja realizado fórum legislativo para discutir estratégias para a realização, em Salvador, de evento da Copa do Mundo de 2014.

Continuar lendo

Assine e obtenha atualizações em tempo real em seu dispositivo!