Polícia Legislativa esvazia Salão Verde da Câmara depois de ameaça de bomba

Departamento de Polícia da Casa recebeu uma ligação anônima de telefone público de São Paulo informando sobre ameaça de explosão no local. "Isso acontece com muito mais frequência do que vocês pensam", afirma diretor

A Polícia Legislativa da Câmara recebeu no início da tarde desta segunda-feira (17) uma ligação anônima informando sobre uma ameaça de bomba no Salão Verde da Casa. A área, que dá acesso ao plenário, é uma das mais movimentadas e normalmente é ocupada por jornalistas, visitantes e deputados, em fluxo contínuo de transeuntes. Mas, apesar do alarde, agentes evacuaram o local para fazer uma varredura e não encontraram qualquer tipo de ameaça.

O diretor do Departamento de Polícia da Câmara, Paul Deeter, informou que a ligação foi feita de um telefone público em São Paulo. Segundo Paul, os agentes logo perceberam que se tratava de um alarme falso.

"Recebemos uma ligação anônima. Uma ameaça de bomba no Salão Verde, uma ameaça totalmente sem fundamento nenhum, veio de São Paulo, de um telefone público, já rastreamos o telefone público, já sabemos onde foi. Mas, por precaução, para a gente poder fazer uma varredura bem feita, a gente esvaziou o Salão Verde", disse Paul.

O Salão Verde ficou fechado por 10 minutos e teve acesso liberado em seguida. No momento da ameaça, poucos deputados estavam na Casa, que havia acabado de encerrar uma sessão solene no plenário.

Segundo o diretor, esse tipo de ameaça é recorrente. "Isso acontece com muito mais frequência do que vocês pensam", afirmou aos jornalistas que cobriam as atividades da Casa nesta segunda-feira. No primeiro dia útil da semana, a movimentação de parlamentares é quase sempre reduzida.

Mais sobre violência

Mais sobre legislativo em crise

Continuar lendo

Assine e obtenha atualizações em tempo real em seu dispositivo!