Polícia intervém para evitar confronto em ato pró-Bolsonaro

Edson Sardinha

Dez pessoas foram detidas hoje (9) em ato que opôs grupos favoráveis e contrários às declarações do deputado Jair Bolsonaro (PP-RJ), em São Paulo. Durante a manifestação, realizada no vão livre do Masp, na capital paulista, a polícia teve de interferir para evitar o confronto entre os grupos. Entre eles, oito que apoiavam o deputado, denunciado na Câmara por racismo e homofobia. Alguns deles, segundo os policiais, já tinham passagem pela polícia por racismo. Além das detenções, foram registradas apreensões de um bastão, pedaços de metal e madeira e ?estrelinhas nija?.


A Polícia Militar fez um cordão de isolamento para impedir que o grupo pró-Bolsonaro, responsável pela convocação do ato, e o formado por estudantes e militantes negros, gays e simpatizantes, que se reuniu para tentar impedir a manifestação, entrassem em confronto. De acordo com as agências de notícias, houve provocações dos dois lados. Enquanto os apoiadores do deputado gritavam ?ser heterossexual não é ser radical?, o outro grupo gritava ?fascistas, morram?.


Já estão na Corregedoria quatro das seis representações movidas por deputados e entidades contra o parlamentar fluminense com base nas declarações dele ao programa CQC, da Band. Perguntado pela cantora Preta Gil o que faria se um de seus filhos se apaixonasse por uma negra, Bolsonaro respondeu: "Preta, não vou discutir promiscuidade com quem quer que seja. Eu não corro esse risco porque meus filhos foram muito bem educados e não viveram em ambiente como lamentavelmente é o teu".

Leia ainda:


Corregedoria tentará notificar Bolsonaro

Deputados pedem investigação contra Bolsonaro

Casal de sargentos gays responde a Bolsonaro

Bolsonaro declara guerra aos homossexuais

Jean diz que vai ao Conselho de Ética contra Bolsonaro

Continuar lendo

Assine e obtenha atualizações em tempo real em seu dispositivo!