Plano Piloto e áreas nobres terão racionamento de água em Brasília

Moradores das Asas Norte e Sul, do Lago, do Sudoeste, do Noroeste e de outras regiões ainda não afetadas com o desabastecimento passarão a ser atingidos com medida, que também deve alcançar os Palácios da Alvorada e do Planalto

 

Há pouco mais de um mês, cerca de 1,8 milhão de brasilienses estão convivendo com o racionamento de água em residências e comércios da capital. Ainda assim, a medida não foi o suficiente para repor o nível dos reservatórios. Nesta segunda-feira (20), a Agência Reguladoras de Águas, Energia e Saneamento Básico do DF (Adasa) anunciou novas ações contra a crise hídrica. A principal novidade é a inclusão das regiões abastecidas pelo sistema Santa Maria/Torto, até então poupadas, no racionamento.

Moradores dos Lagos Norte e Sul, do Plano Piloto, do Sudoeste, do Noroeste e de outras zonas ainda não afetadas com o desabastecimento passarão a ser atingidos com o rodízio de água. A nova medida deve alcançar inclusive os Palácios da Alvorada e do Planalto, onde vive e trabalha o presidente Michel Temer. A determinação da Adasa foi publicada no Diário Oficial do DF desta segunda-feira (20) e atende a recomendação do Ministério Público. Pelo rodízio, cada região fica um dia por semana sem abastecimento.

A Adasa também decidiu reduzir os limites da vazão de captação de água dos sistemas do Descoberto e de Santa Maria/Torto. A Agência convocou uma entrevista coletiva para explicar os detalhes das determinações. Segundo o Diário Oficial, as recomendações devem ser estabelecidas até 6 de março, mas ainda serão analisadas por técnicos da Companhia de Saneamento Ambiental do DF (Caesb).

Apesar de o racionamento na região mais nobre da cidade chegar mais de um mês depois do restante do Distrito Federal, a Caesb esclarece que não há qualquer medida de racionamento que leve em conta a renda da população. “É estritamente técnica (a decisão)”, explica.

Para conter a crise hídrica, o Governo do Distrito Federal está tomando uma série de iniciativas, como a desocupação de áreas próximas ao reservatório do Descoberto, a fiscalização das margens dos rios e a substituição de válvulas redutoras de pressão.

Foi retomada também a construção da Represa do Bananal com capacidade para atender 170 mil moradores, após 16 anos sem novos reservatórios no DF. Além da obra de Corumbá IV, projetada ainda no governo de Joaquim Roriz, em 2001, mas com previsão de entrega apenas para 2018.

Leia a íntegra da nota da Caesb:

"A Caesb esclarece que as resoluções nº 01 e nº 02, da Adasa, publicadas hoje (20/02), reduzindo os limites da vazão de captação de água dos sistemas Descoberto e Santa Maria / Torto, estão sendo analisadas pelos técnicos da Companhia. Medidas como a implantação do rodízio de água nas regiões abastecidas pelo Santa Maria /Torto estão sendo preparadas. Qualquer medida que venha a ser adotada, será divulgada à população do Distrito Federal, com pelo menos três dias de antecedência, como a Caesb tem feito sistematicamente."

Mais sobre crise hídrica

Continuar lendo

Assine e obtenha atualizações em tempo real em seu dispositivo!