Plano de Armínio Fraga é a saída emergencial para crise, segundo Sebrae-DF

Com a missão de dar suporte e estímulo ao desenvolvimento de pequenas e médias empresas, o Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae) se vê diante de um cenário arrasador com os efeitos econômicos da pandemia de coronavírus.

Bolsonaro edita decreto que regulamenta atividade religiosa como atividade essencial

“Quem segura o emprego no Distrito Federal é esse setor. Se não tiver ajuda imediata, que é injeção direta de capital, de dinheiro, as empresas vão quebrar rápido”, afirma Valdir Oliveira, superintendente do Sebrae no DF.

> Governo dá tiro mortal no Sebrae para gastar em Nova York, diz superintendente no DF

Segundo ele, o cabo de guerra político em torno da crise está atrapalhando as soluções. “Está tudo errado. Temos de parar de politizar, ideologizar a crise. Não é hora de o presidente Bolsonaro tensionar, é hora de ele agir para conciliar. Mas também não está certo aproveitarem essa crise para fragilizar a Presidência. É hora da união de todos, senão o Brasil vai implodir.”

> Bolsonaro perde apoio de prefeitos, governadores e de membros do Congresso

Demissões

Na semana em que o Sindicato de Bares e Restaurantes do Distrito Federal anuncia a demissão de 4 mil empregados do setor, o Sebrae-DF faz uma projeção de que esses números vão piorar na capital federal.

Valdir Oliveira, superintendente do Sebrae no DF.
Divulgação/Sebrae-DF
O superintendente regional reforça o coro em defesa das medidas apontadas pelo ex-dirigente do Banco Central Armínio Fraga. O economista sugere que, além de incluir mais 1,3 milhão de famílias no Bolsa Família, o governo crie rapidamente um programa de renda mínima que beneficie, no total, até 100 milhões de brasileiros, pouco menos da metade da população do país.

Armínio aponta que serão necessários cerca de 4% do Produto Interno Bruto (PIB), o equivalente a R$ 300 bilhões, para custear as despesas necessárias para enfrentar os efeitos negativos na economia. O dinheiro pode vir da emissão de títulos públicos.

Em artigo publicado esta semana na Folha de S.Paulo, o ex-presidente do Banco Central defende um conjunto de medidas para evitar que micro, pequenas e médias empresas (PMEs) fechem as portas.

Assinado em conjunto com os economistas Vinícius Carrasco e José Alexandre Scheinkman, o texto propõe a liberação de R$ 120 bilhões em recursos do Tesouro para assegurar que as PMEs paguem os salários de seus funcionários por pelo menos quatro meses.

“Circunstâncias extraordinárias requerem atuação extraordinária”, afirmam os três economistas. “É do que precisamos neste momento”, reafirma Oliveira.

S.O.S. pequenos negócios

O Sebrae DF lançou uma campanha para ajudar a salvar os pequenos e médios comerciantes da capital, incentivando a população a comprar nos pequenos estabelecimentos perto de casa.

“O remédio para essa crise é a solidariedade. Primeiro precisamos resguardar vidas e em segundo socorrer as empresas para salvar os empregos. Salvar a pequena farmácia, a padaria, o mercadinho”, diz Oliveira.

No Brasil, existem 6,4 milhões de estabelecimentos. Desse total, 99% são micro e pequenas empresas (MPE). As MPEs respondem por 52% dos empregos com carteira assinada no setor privado (16,1 milhões).

Membros do MPF querem ver Bolsonaro cumprindo normas de isolamento social contra coronavírus


Continuar lendo

Assine e obtenha atualizações em tempo real em seu dispositivo!