Planalto suspende nomeações após pressão do PMDB

Partido questionava o uso da máquina do governo em favor da candidatura de Arlindo Chinaglia (PT-SP) à presidência da Câmara. Indicações para o segundo escalão somente depois das eleições para as mesas diretoras

A postura do PMDB em defender a candidatura de Eduardo Cunha (PMDB-RJ) à presidência da Câmara surtiu efeito. Após as reclamações feitas por integrantes do partido da pressão realizada pelo Palácio do Planalto em favor de Arlindo Chinaglia (PT-SP), o governo decidiu suspender as indicações para o segundo escalão do novo mandato de Dilma Rousseff.

As indicações para o segundo escalão estavam sendo usadas como moeda de troca na eleição da Câmara. O governo, de acordo com peemedebistas, usava os cargos para seduzir a base aliada a votar em Chinaglia para presidente da Casa. No entanto, após reunião da Executiva do PMDB tornar oficial o apoio a Cunha, o Palácio do Planalto recuou.

De acordo com o jornal O Estado de S. Paulo, o acordo feito pelo vice-presidente Michel Temer também inclui a determinação para que ministros do PT que vinham trabalhando pelo petista devem deixar claro que atuam pelo partido, e não em nome do governo.

Mais sobre a eleição na Mesa

Continuar lendo

Assine e obtenha atualizações em tempo real em seu dispositivo!