Planalto pedirá saída de Cunha se ele optar por impeachment, diz O Globo

De acordo com o jornal, o ministro Ricardo Berzoini, da recém-criada Secretaria de Governo, deu o seguinte recado aos petistas que participaram de reunião ontem no Planalto: “Preparem-se para o combate”

Após uma série de reuniões nessa segunda-feira (12), o Palácio do Planalto e o PT decidiram partir para o confronto com o presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), caso ele dê andamento a pedidos de impeachment da presidente Dilma. Se o peemedebista levar adiante a estratégia da oposição, o PT pedirá o afastamento dele da presidência da Casa e o levará ao Conselho de Ética para cobrar a cassação de seu mandato. As informações são do jornal O Globo.

De acordo com o jornal carioca, o ministro Ricardo Berzoini, da recém-criada Secretaria de Governo, deu o seguinte recado aos petistas que participaram de reunião ontem no Planalto: “Preparem-se para o combate”.

Cunha deve analisar esta semana os pedidos de impeachment apresentados à Câmara. O peemedebista admite adiar a análise da principal peça, assinada pelos advogados Hélio Bicudo, Miguel Reale Junior e Janaína Paschoal, para que os juristas acrescentem um novo argumento à petição: a de que as chamadas “pedaladas fiscais” continuaram a ser feitas pelo governo em 2015.

Cunha sinalizou que pretende rejeitar o pedido encabeçado por Bicudo, que foi deputado e vice-prefeito de São Paulo pelo PT. Mas a oposição, em estratégia combinada, já prepara a apresentação de um recurso em plenário para fazer o pedido avançar. Nesse caso, para reverter a decisão, seria necessário reunir o voto da maioria dos deputados presentes.

“A reunião foi toda focada na tentativa de evitar o impeachment. Estamos, a partir de agora, em assembleia permanente. Havendo amanhã (hoje) o recurso (da oposição), cada um saiu da reunião com sua obrigação, com sua lista (de quem procurar), para garantir os votos”, disse ao Globo a deputada Margarida Salomão (PT-MG).

De acordo com o jornal, o PT concluiu que não há mais como restabelecer relações com Cunha e que, por isso, o partido deve abandonar a postura de cautela adotada até agora e partir para o confronto com o presidente da Câmara.

Denunciado em agosto pela Procuradoria-Geral da República por corrupção e lavagem de dinheiro, o peemedebista teve sua situação agravada nas últimas semanas com a descoberta de que autoridades suíças encontraram contas bancárias em seu nome no país. Ele negou, em depoimento à CPI da Petrobras, no primeiro semestre, ter qualquer conta no exterior. Caso fique comprovado que mentiu à comissão, o deputado pode perder o mandato por quebra de decoro.

Na última sexta-feira, três ações foram apresentadas ao Supremo Tribunal Federal por deputados governistas para tentar impedir a tramitação de pedido de impeachment contra a presidente Dilma.

Segundo O Globo, embora tenha divulgado nota pedido o afastamento de Cunha da presidência da Câmara, a oposição promete, reservadamente, apoiá-lo até o limite para viabilizar o impeachment.

Leia a reportagem de O Globo
Mais sobre impeachment
Mais sobre crise na base

Continuar lendo

Assine e obtenha atualizações em tempo real em seu dispositivo!