Oposição pede à PGR que investigue origem de ataques a Miriam Leitão e Sardenberg

Perfis dos dois jornalistas no Wikipédia foram alterados, com críticas, a partir da rede do Palácio do Planalto, segundo reportagem do jornal O Globo

O líder do PPS na Câmara, deputado Rubens Bueno (PR), entregou, nesta sexta-feira (8), representação na Procuradoria-Geral da República (PGR) pedindo  a abertura de investigação para apurar a denúncia de que perfis dos jornalistas Miriam Leitão e Carlos Alberto Sardenberg na enciclopédia virtual Wikipédia foram alterados dentro do Palácio do Planalto.

Segundo reportagem de hoje do jornal O Globo, o Planalto teve sua estrutura de internet usada para alterar, com críticas, perfis virtuais dos dois jornalistas. Os textos foram alterados em maio de 2013 por meio do IP 200.181.15.10, identidade digital da Presidência da República. A Wikipédia é uma espécie de enciclopédia virtual com alteração de conteúdo aberta a qualquer internauta. "Estamos pedindo ao Ministério Público que apure com rigor mais este absurdo, apontando os responsáveis”, afirmou Bueno.

De acordo com a reportagem, os enxertos de texto se prestaram, entre outras críticas, a apontar análises “desastrosas” feitas pelos jornalistas econômicos. Em um dos trechos modificados, diz o jornal, Míriam Leitão foi acusada de fazer “corajosa e apaixonada” defesa do ex-banqueiro Daniel Dantas, principal alvo da Operação Satiagraha, da Polícia Federal, em 2008.

“Em 29/06/2009, Míriam Leitão escreveu o seguinte sobre a previsão de crescimento do Ministro Guido Mantega de 4,5% do PIB de 2010: ‘Ele fez uma afirmação de que em 2010 o Brasil está preparado para crescer 4,5%. É temerário dizer isso’. Contrariando o pessimismo de Míriam Leitão, o Brasil cresceu 7,5% naquele ano”, diz o texto alterado sobre a jornalista. Em entrevista ao jornal, Míriam condenou a ação. “Acho que é espantoso que um órgão público, ainda mais o Palácio do Planalto, use recursos e funcionários públicos para fazer esse tipo de ataque a jornalistas, quando deveria estar dedicado às questões de Estado”, disse a jornalista, colunista de O Globo.

Já sobre Sardenberg, crítico da política de juros do país, o texto modificado fez ilações sobre o fato de seu irmão, Rubens Sardenberg, ser economista-chefe da Federação Brasileira de Bancos (Febraban). O texto diz ainda que ele “já cometeu erros notáveis em suas previsões, como afirmar que ‘(...) a economia mundial segue em marcha de sólido crescimento. Sólido porque não é nenhuma bolha financeira (...)’ um ano antes de estourar a crise mundial de 2008”. Para o jornalista, a alteração de conteúdo foi “baixaria” e “canalhice”.

Ainda segundo O Globo, 170 alterações na Wikipédia foram feitas pelo IP da Presidência em três anos e meio do governo Dilma. Algumas edições foram operadas em registros sobre ministros de Estado, por exemplo. De acordo com o Planalto, o número do protocolo é um endereço geral da rede sem fio local – ou seja, pode ser usada por qualquer pessoa com acesso à rede móvel de internet. Assim, diz a Presidência, não há como identificar o responsável pelas alterações.

Na representação à PGR, o líder do PPS afirma que todos os fatos narrados pelo jornal carioca convergem para “crimes de desvio de conduta funcional, falsidade ideológica”, que podem ter sido cometidos por servidores públicos federais ou autoridades do governo. “Essa postura fere de morte a conduta ética e moral dos bons costumes. Diferentemente do que se espera, principalmente, dos ocupantes destes cargos”, afirma Rubens Bueno.

Assine a Revista Congresso em Foco em versão digital ou impressa

Continuar lendo

Assine e obtenha atualizações em tempo real em seu dispositivo!