Pivô de crise no governo de transição, ex-assessor de Flávio Bolsonaro faltou a depoimento ao MP

O policial militar Fabrício José Carlos de Queiroz, ex-assessor e motorista do senador eleito Flávio Bolsonaro (PSL-RJ), não compareceu à audiência no Ministério Público do Rio de Janeiro (MP-RJ) marcada para esta quarta-feira (19) para prestar esclarecimentos sobre movimentações milionárias em suas contas.

Os advogados de Fabrício alegaram "inesperada crise de saúde" e o ex-assessor estaria em atendimento médico de emergência. O depoimento dele foi remarcado para a próxima sexta-feira (21).

A equipe de defesa também afirmou ao MP-RJ, no início da tarde, "que não tiveram tempo hábil para analisar os autos da investigação". A investigação corre em segredo em justiça.

> Coaf: servidores da Alerj fizeram depósitos a assessor de Flávio Bolsonaro

> Funcionários de Flávio Bolsonaro na Alerj repassaram até 99% de seus salários

As movimentações suspeitas de Fabrício foram descobertas durante a Operação Furna da Onça, que prendeu dez deputados da Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro (Alerj). A operação quebrou o sigilo bancário de assessores da Assembleia e, de acordo com relatórios do Conselho de Controle de Atividades Financeiras (Coaf), Fabrício teria movimentado mais de R$ 1,7 mi em pouco menos de dois anos.

Parte do dinheiro era depositado por outros servidores da Alerj que também foram lotados no gabinete do então deputado estadual Flávio Bolsonaro. Após a divulgação dos relatórios do Coaf, Flávio se limitou a dizer que Fabrício deu uma explicação "bastante convincente" sobre as movimentações, mas que não poderia revelá-la.

 

> Datas de depósitos na conta de ex-assessor de Flávio Bolsonaro coincidem com pagamentos na assembleia

> Ex-chefe de gabinete de Bolsonaro doava mais que o próprio salário aos filhos do presidente eleito

Continuar lendo

Assine e obtenha atualizações em tempo real em seu dispositivo!