Pimentel usou firmas de fachada para campanha, diz PF

Governador recebeu R$ 3,2 milhões com firmas fantasmas e mais R$ 2,8 milhões com ajuda da mulher

 

 

A Polícia Federal atribuiu repasses ilegais de mais de R$ 6 milhões ao grupo do governador de Minas, Fernando Pimentel (PT), com uso de empresas de fachada para o receber R$ 3,2 milhões na campanha de 2014. Os policiais da Operação Acrônimo indiciaram oito pessoas, informa o jornal O Globo.

<< Leia no jornal O Globo

A PF aponta que o círculo mais próximo do governador de Minas Gerais, Fernando Pimentel (PT), incluindo sua mulher, Carolina de Oliveira, atuou para obter vantagens indevidas ao petista e doações para sua campanha eleitoral em 2014, fora da contabilidade oficial, usando empresas de fachada. Outros R$ 2,8 milhões foram recebidos pelo governador por meio da consultoria da primeira-dama de Minas.

Para que os crimes investigados nesse inquérito resultem em um processo, é preciso que a Procuradoria-Geral da República apresente uma denúncia ao Superior Tribunal de Justiça (STJ).

Continuar lendo

Assine e obtenha atualizações em tempo real em seu dispositivo!