PGR: PP e Costa levaram R$ 357,9 mi da Petrobras

Dinheiro era desviado de contratos firmados com a estatal entre 2006 e 2014, segundo denúncia apresentada ao STF nesta sexta-feira (23). Deputado recebeu mais de R$ 30 milhões, acusa procuradoria, que pede devolução de R$ 714 milhões

A Procuradoria-Geral da República (PGR) estima em R$ 357,9 milhões o montante pago em propinas ao ex-diretor de Abastecimento da Petrobras Paulo Roberto Costa e ao Partido Progressista (PP). O dinheiro era desviado de contratos firmados com a estatal entre 2006 e 2014, segundo denúncia apresentada ao Supremo Tribunal Federal (STF) pela PGR contra o deputado Nelson Meurer (PP-PR), apontado como um dos beneficiários dos pagamentos ilícitos.

Na denúncia formalizada pelo procurador-geral da República, Rodrigo Janot, Meurer e seus filhos Nelson Meurer Júnior e Cristiano Augusto Meurer são acusados pelos crimes de corrupção e lavagem de dinheiro. Para a PGR, o deputado compõe a cúpula do PP que, durante todo o processo de pilhagem da Petrobras, deram suporte político para que Costa se mantivesse como diretor da estatal e, nessa condição, continuasse a viabilizar o esquema de corrupção.

Segundo Janot, R$ 62 milhões foram pagos ao PP por meio de contratos fictícios com construtoras, em processo operado pelo doleiro Alberto Youssef, um dos delatores da Operação Lava Jato. O negócio beneficiou, segundo a PGR, um grupo fechado de corporações – cartel apelidado de “clube das empreiteiras” – que movimentaram “um verdadeiro caixa de propinas do PP”, ainda segundo a PGR, administrado por Youssef.

A PGR acusa Nelson Meurer de ter solicitado e recebido R$ 29 milhões das negociatas, em 99 pagamentos de R$ 300 mil mensais, além de R$ 4,5 milhões em repasses que lhe serviram para custear, em 2010, sua campanha de reeleição para a Câmara. No ofício de denúncia, Janot pede ressarcimento de R$ 714 milhões – o dobro do montante desviado, no qual metade seria reposição por danos relativos aos crimes cometidos.

O PP foi o partido responsável pela indicação de Costa à diretoria de Abastecimento da Petrobras. É também a legenda como mais representantes investigados na lista que Janot encaminhou ao STF em 6 de março: com 40 deputados, a sigla tem 18 deles como alvo de inquérito na corte. Além deles, três dos cinco senadores do PP são investigados pelo Supremo, entre eles o próprio presidente nacional da sigla, Ciro Nogueira (PI).

Negação

O PP não fez comentários diretos sobre a formalização de denúncia de Meurer no STF ou sobre a atuação de seus representantes. Por meio de nota, o PT se limita a dizer que “não admite a prática de atos ilícitos e confia  na Justiça para que os fatos sejam esclarecidos”.

Por sua vez, Meurer tem evitado declarações sobre o assunto. Neste material publicado pelo Congresso em Foco quatro dias depois da inclusão de seu nome entre os investigados no STF, o deputado é um dos poucos que não registram resposta sobre o assunto. Sua defesa diz que estudará a denúncia mais detidamente para depois se posicionar adequadamente.

Por fim, a defesa de Paulo Roberto Costa, que já foi condenado a sete anos e seis meses de prisão pelo juiz federal Sérgio Moro, nega os valores estimados pela PGR, diz que seu cliente não os recebeu e que já falou o suficiente em sua delação premiada.

Leia mais:

PP virou ‘prostituta’, diz deputado investigado

Mais sobre Operação Lava Jato

Continuar lendo

Assine e obtenha atualizações em tempo real em seu dispositivo!