PF prende ex-cunhado de Cachoeira por ameaças a procuradora

Investigação aponta Adriano Aprígio de Souza como autor de pelo menos uma mensagem eletrônica ameaçando Léa Batista Oliveira, procuradora da Operação Monte Carlo

A Polícia Federal prendeu nesta sexta-feira (6) Adriano Aprígio de Souza, ex-cunhado do bicheiro Carlos Augusto Ramos, o Carlinhos Cachoeira, acusado de ameaçar a procuradora da República Léa Batista Oliveira. Ela atua no inquérito que resultou na Operação Monte Carlo, deflagrada em 29 de fevereiro e que resultou na prisão do contraventor e na denúncia por diversos crimes de formação de quadrilha e de lavagem ou ocultação de bens, direitos e valores a outras 80 pessoas.

Leia tudo sobre o Caso Cachoeira

Leia outros destaques de hoje no Congresso em Foco

De acordo com nota divulgada pela PF, a investigação demonstrou que ao menos um dos e-mails investigados foi enviado da própria residência de Aprígio, localizada em Anápolis (GO). O ex-cunhado de Cachoeira foi preso por policiais federais quando saía de casa na manhã de hoje. Ele é irmão de Andreia Aprígio, que administra o laboratório de medicamentos Vitapan. Além da prisão, os agentes também cumpriram dois mandados de busca e apreensão, todos autorizados pela 11ª Vara da Justiça Federal, em Goiânia.

"A PF reafirma que repudia toda forma de ameaça, intimidação ou coação dirigida a qualquer membro de órgãos envolvidos na persecução criminal e que continuará atuando nos limites da legalidade com o objetivo de responsabilizar criminalmente os seus autores", informou a nota da Polícia Federal. A procuradora já tinha relatado as ameaças a integrantes da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) do Cachoeira, em maio, e do Ministério Público Federal. De acordo com a investigação da Operação Monte Carlo, Adriano é o principal testa de ferro na organização criminosa supostamente chefiada por Cachoeira.

CNJ pedirá proteção ao novo juiz do caso Cachoeira
CPI quer ouvir juiz ameaçado por grupo de Cachoeira

Desde que a Operação Monte Carlo ocorreu, em 29 de fevereiro, este não foi o único relato de ameaças. O juiz federal Paulo Augusto Moreira Lima, que autorizou escutas telefônicas da investigação e também a prisão do bicheiro Carlos Cachoeira, pediu para deixar o caso por estar sofrendo ameaças. Depois, a deputada Íris de Araújo (PMDB-GO) relatou à CPI do Cachoeira ter sido ameaçada. A comissão chegou a discutir formas de proteger os envolvidos com a investigação dos crimes da quadrilha supostamente chefiada por Cachoeira, mas não foi tomada nenhuma decisão.

Saiba mais sobre o Congresso em Foco

Continuar lendo