PF nega vazamento de informações sobre Operação Lava Jato

Instituição se apressou em negar qualquer tipo de vazamento de informações sobre as ações da força-tarefa. Ontem o ministro da Justiça, Alexandre de Moraes, sugeriu que outra fase da operação seria realizada nesta semana

Após a deflagração da 35º fase da Operação Lava Jato, nesta segunda-feira (26), a Polícia Federal se apressou em negar qualquer tipo de vazamento de informações sobre as ações da força-tarefa. Isso porque ontem (domingo, 25), o ministro da Justiça, Alexandre de Moraes, sugeriu durante evento de campanha do deputado tucano Duarte Nogueira (SP), que outra fase da operação seria realizada nesta semana. "Teve a semana passada e esta semana vai ter mais, podem ficar tranquilos. Quando vocês virem esta semana, vão se lembrar de mim", disse o ministro em Ribeirão Preto (SP), cidade que já teve Palocci como prefeito.

"O Ministério da Justiça não é avisado. No entanto, é sugerido ao seu titular que não se ausente de Brasília", disse o delegado da PF, Igor Romário, logo no início da coletiva de imprensa realizada em Curitiba, para esclarecer detalhes da nova fase da força-tarefa.

A PF também emitiu uma nota esclarecendo que "as datas de desencadeamento das operações especiais de polícia judiciária são acompanhadas apenas pelos responsáveis pela coordenação operacional". A instituição nega que o ministro da Justiça seja avisado com antecedência sobre as ações e que o titular da pasta não é informado sobre os detalhes da operação (leia a íntegra da nota no final da matéria).

Alexandre de Moraes participou na manhã de hoje de um evento em São Paulo e falou sobre a repercussão de sua fala. "Não foi palpite, foi uma afirmação e eu reitero aqui: da mesma forma que durante todas as semanas, desde que eu assumi, houve operações e vão continuar tendo operações. O que ocorre é que o jornalista truncou uma conversa de quase 20 minutos que eu tive com os movimentos, ele truncou, ele criou uma conversa que foi muito maior", disse o ministro.

O titular da pasta disse que ficou sabendo da prisão de Palocci por volta das 6h da manhã de hoje. "Temos uma praxe no ministério de que a partir das 6h, 6h15 da manhã as informações, não só dessa operação, mas de todas as operações que vão ser realizadas no dia são passadas", explicou Alexandre de Moraes.

Em nota divulgada ontem, o Ministério da Justiça informou que o ministro apenas reafirmou seu compromisso com a autonomia da PF para que as investigações continuassem. "[Alexandre de Moraes] afirmou que, desde que assumiu o Ministério da Justiça e Cidadania a PF vem tendo apoio total e que, em quase todas as semanas houve operação e que, certamente, continuariam nessa semana, na próxima e enquanto houver necessidade", diz a nota (leia a íntegra abaixo).
Veja a nota divulgada pela PF sobre o caso:

"Em relação à 35ª fase da Operação Lava Jato, a Polícia Federal esclarece que adotou o mesmo padrão de compartimentação e cuidado com a informação que caracterizaram as quase 500 operações deflagradas este ano.
Somente as pessoas diretamente responsáveis pela investigação possuem conhecimento de seu conteúdo.
Da mesma forma, as datas de desencadeamento das operações especiais de polícia judiciária são acompanhadas apenas pelos responsáveis pela coordenação operacional.

Como já foi amplamente demonstrado em ocasiões anteriores, o Ministério da Justiça não é avisado com antecedência sobre operações especiais.
No entanto, é sugerido ao seu titular que não se ausente de Brasília nos casos que possam demandar sua atuação, não sendo informado a ele os detalhes da operação.
A Polícia Federal, instituição do Estado brasileiro, reafirma sua atuação de acordo com o Estado Democrático de Direito"
Veja a nota divulgada pelo Ministério da Justiça:

"Em resposta às perguntas sobre a continuidade da 'Lava Jato' e a afirmação de que diversos setores seriam contra a manutenção  das operações, em virtude de eventuais abusos ocorridos na semana passada, o Ministro Alexandre de Moraes reafirmou a legalidade da atuação da Polícia Federal no cumprimento do mandado judicial de prisão do ex-ministro Guido Mantega, bem como o apoio integral à continuidade das operações e afirmou que, desde que assumiu o Ministério da Justiça e Cidadania a PF vem tendo apoio total e que, em quase todas as semanas houve operação e que, certamente, continuariam nessa semana, na próxima e enquanto houver necessidade.
Indagado, ainda, se a continuidade das investigações e operações era  compromisso do Governo Federal, o Ministro Alexandre de Moraes novamente deu essa garantia e afirmou que as pessoas lembrariam desse compromisso com a continuidade da atuação independente da Polícia Federal"

Mais sobre Operação Lava Jato

Continuar lendo

Assine e obtenha atualizações em tempo real em seu dispositivo!