PF apura conexão entre quadrilhas de Cachoeira e Youssef

Documentos apreendidos mostram relação entre empreiteiras ligadas aos dois esquemas, segundo "O Globo". Já o "Estadão" mostra que doações de campanha somam R$ 1 bilhão -- metade dessa quantia vem de 19 empresas

A Polícia Federal (PF) encontrou no escritório da contadora Meire Poza documentos que revelam as conexões entre duas quadrilhas flagradas em escândalos de desvio de recursos públicos nos últimos anos, segundo a edição do jornal O Globo desta segunda-feira (15). De acordo com a reportagem, contratos, notas fiscais e extratos bancários que estavam com a contadora mostram que uma empresa de fachada do doleiro Alberto Youssef, a RCI Software, manteve negócios com outra empresa de fachada que atuava no esquema operado pelo bicheiro Carlos Cachoeira, a Alberto & Pantoja.

“Repasses de dinheiro da Pantoja para a RCI foram descobertos pela CPI do caso Cachoeira, mas na época não se conseguiu avançar na identificação do que era aquele dinheiro. Nem a quem se destinava. Agora, com os novos documentos apreendidos pela PF, os investigadores já sabem que a RCI não só está na lista de empresas operadas por laranjas de Youssef como foi usada para arrecadar dinheiro junto a grandes empreiteiras do país envolvidas com a Petrobras. No escritório de Meire Poza foram encontrados contratos em nome da RCI e várias notas fiscais”, diz O Globo. Há contratos assinados pela construtora OAS, segundo o jornal.

Já a Folha de S. Paulo informa que o Tribunal de Contas da União (TCU) identificou irregularidades em contrato milionário da Petrobras com a Odebrecht firmado em 2010. “Técnicos da corte confirmaram falhas já identificadas pela própria Petrobras. Salientaram ainda o fato de o contrato ser genérico e a ausência de projeto básico. Também destacaram a falta de controle no acompanhamento do acordo”.

Conforme a reportagem, o contrato de US$ 825,6 milhões previa serviços de segurança, meio ambiente e saúde para padronizar as unidades da companhia petroleira no Brasil e em nove países. De acordo com o jornal, a Petrobras, durante a gestão da atual presidente, Maria das Graças Foster, já havia reduzido o valor do contrato a praticamente a metade. A auditoria do TCU foi enviada ao ministro José Jorge, relator do caso. O relatório está praticamente pronto e será votado no plenário quando o ministro voltar de viagem.

Doações para campanhas

No jornal O Estado de S. Paulo, o destaque são as doações para campanhas eleitorais. De acordo com a reportagem, as contas de partidos, comitês e candidaturas em todo o país receberam de 19 grupos privados R$ 522 milhões do total de R$ 1,040 bilhão vindo de contribuições de pessoas jurídicas e físicas até o momento.

A concentração das doações é significativa. De acordo com o levantamento do Estadão, o grupo JBS doou até agora R$ 113 milhões – 11% do total doado. O PT foi o partido que mais recebeu da JBS.

Mas, apesar de bancos e empresas do setor de bebidas, as empreiteiras continuam se destacando. Juntas, as construtoras, ainda segundo o levantamento, contribuíram com quase R$ 300 milhões – 30% do total arrecadado até agora. Entre as empresas do ramo da construção estão a OAS e a Odebrecht, mencionadas anteriormente.

 

 

Assine a Revista Congresso em Foco

Continuar lendo

Assine e obtenha atualizações em tempo real em seu dispositivo!