Desenvolvimento e sucesso no esporte caminham juntos, diz pesquisa

Levantamento da consultoria Austin Rating mostra que quanto mais desenvolvido o país, mais chances tem de conquistar medalhas nos jogos Olímpicos. Na contramão desta fórmula de sucesso, Brasil aposta em lampejos individuais e em esportes onde tem tradição

Um levantamento feito pela consultoria Austin Rating e divulgado pelo jornal Correio Braziliense mostra que quanto mais desenvolvido o país, mais chances tem de conquistar medalhas nos jogos Olímpicos. Em suma, nações que prezam pela qualidade de vida e com elevado nível de educação priorizam a formação e atletas e colhem os frutos em competições internacionais.

O caso mais impressionante é o da China, atualmente em segundo lugar geral. Nos últimos trinta anos, com crescimento superior a 10%, o país asiático saltou de uma posição periférica para a elite do esporte.

O Brasil, portanto, tenta ir na contramão da fórmula da vitória de países como a China. Apesar de jogar em casa e contar com um exército de mais de 460 atletas, o maior contingente da história, o país aposta em lampejos de atletas e na tradição de esportes como o vôlei e o futebol para brilhar nos jogos.

O fraco desempenho dos jogos, não por acaso, coincide com uma grave recessão econômica, com um quadro político instável e com a piora visível no nível de educação. Neste cenário, o brasileiro deve, realmente, celebrar as vitórias porque um medalhista olímpico nascido neste país é realmente um herói.

Mais sobre Olimpíadas 2016

Mais sobre crise brasileira

Continuar lendo

Assine e obtenha atualizações em tempo real em seu dispositivo!