Perillo vendeu casa para Cachoeira

Segundo o delegado da Operação Monte Carlo, o governador de Goiás vendeu sua casa na capital goiana para o contraventor Carlinhos Cachoeira. Na semana passada, Perillo afirmou que não sabia do envolvimento de Cachoeira no negócio e que teria vendido o imóvel para uma faculdade.

O delegado da Polícia Federal, Matheus Mella Rodrigues disse aos parlamentares da CPI mista do Cachoeira que o governador de Goiás, Marconi Perillo, vendeu uma casa para o bicheiro Carlinhos Cachoeira. É mais uma forte evidência da relação do bicheiro com o governador goiano. Rodrigues prestou esclarecimentos nesta quinta-feira (10), por quase dez horas, à comissão que investiga as relações do contraventor com parlamentares e agentes públicos e privados.

Leia outros destaques de hoje no Congresso em Foco

Durante sue depoimento, Rodrigues afirmou que a compra foi efetuada mediante o pagamento de R$ 1,4 milhão, pago em três cheques - dois de R$ 400 mil, e o outro de R$ 600 mil. De acordo com o delegado, o sobrinho de Cachoeira, Leonardo Almeira Ramos, foi quem assinou os cheques. A casa em questão é a mesma onde Carlinhos Cachoeira foi preso, em 29 de fevereiro, quando foi deflagrada a Operação Monte Carlo.. Ele morou no imóvel por três meses.
“Até onde eu estive presente, a informação dá conta que a casa em que Carlos Cachoeira foi preso pertencia anteriormente a Marconi Perillo. Logo, foi uma casa vendida por Marconi Perillo a Carlos Cachoeira”, informou o senador Paulo Teixeira (PT-SP).

De acordo com o senador Randolfe Rodrigues (Psol-AC), o delegado também confirmou que a relação de Perillo com Cachoeira era “muito próxima”, de acordo com o depoimento do delegado. Segundo o senador, o inquérito da Operação Monte Carlo flagrou mais de 200 citações do nome do governador nas gravações telefônicas da quadrilha interceptadas pela Polícia Federal.

Paulo Teixeira disse ainda que o delegado revelou que uma caia de computador contendo R$ 500 mil foi entregue a um assessor especial de Perillo dentro do Palácio das Esmeraldas, sede do governo goiano.

Na semana passada, o governador de Goiás afirmou em entrevista ao jornal goiano O Popular, que a casa havia sido vendida para o empresário Walter Paulo, dono da faculdade Padrão. No dia seguinte, o empresário confirmou ao mesmo jornal ter comprado a casa do governador. No entanto, o jornal O Estado de S. Paulo mostrou que a escritura do imóvel registra a empresa Mestra Administração e Participações como compradora, que nunca teve Walter Paulo em seu quadro societário.

Para parlamentares da base governista, as informações prestadas hoje pelo delegado urgenciam a presença de Marconi Perillo na CPI. Segundo os integrantes da CPI, o delegado, de fato, reforçou que eram fortes os vínculos entre o bicheiro e o governador goiano. Segundo o delegado, a relação com Perillo era mais próxima que a relação com o governador do Distrito Federal, Agnelo Queiroz (PT), também citado nas investigações. "A relação com Marconi era marcada com marca-texto, a de Agnelo, não", disse o delegado. Os parlamentares da CPI, porém, cogitam ouvir em depoimentos tanto Marconi quanto Agnelo.

Tudo sobre o Caso Cachoeira

Saiba mais sobre o Congresso em Foco (2 minutos em vídeo)

Continuar lendo

Assine e obtenha atualizações em tempo real em seu dispositivo!