Pepe Vargas deixa Secretaria de Direitos Humanos antes da reforma ministerial

Com o corte de ministérios, os de Direitos Humanos, de Política para Mulheres e de Igualdade Racial devem virar uma só pasta, o Ministério da Cidadania

O ministro da Secretaria de Direitos Humanos da Presidência da República (SDH), Pepe Vargas, disse que não assumirá nenhum cargo em nova pasta da reforma ministerial, que, além do Direitos Humanos, deverá fundir a Secretária de Políticas de Promoção da Igualdade Racial e a de Políticas para Mulheres. O petista, que ficou menos de seis meses à frente da SDH, deve reassumir seu mandato de deputado federal na Câmara. As informações são do O Estado de S.Paulo.

"Quando ela (Dilma Rousseff) anunciar a reforma, eu não permanecerei. Vou retomar meu mandato na Câmara. Mas é ela que vai anunciar a reforma", disse Vargas à reportagem.

O ministro disse que se encontrou com a presidente Dilma Rousseff na quinta-feira (24), quando acertou seu retorno à Câmara. No mesmo dia, a petista se reuniu com as ministras Eleonora Menicucci (Mulheres) e Nilma Lino Gomes (Igualdade Racial). De acordo com reportagem, integrantes do governo esperam que as pastas ligadas aos direitos humanos formem um novo órgão, o Ministério da Cidadania.

A pasta seria liderada por Miguel Rossetto, atual chefe da Secretaria-Geral da Presidência. Ele esteve com Dilma antes da viagem a Nova York para Assembleia.

Confira íntegra da matéria

Mais sobre reforma ministerial

Continuar lendo

Assine e obtenha atualizações em tempo real em seu dispositivo!