Peemedebista quer recorrer à direção do partido para assumir ministério

Convidado por Dilma para assumir a Aviação Civil, deputado Mauro Lopes diz que vai contestar decisão tomada pela legenda que proíbe integrantes do PMDB de aceitar cargo no Executivo

Definido em negociação com o Palácio do Planalto para ser o novo ministro da secretaria de Aviação Civil, o deputado Mauro Lopes (PMDB-MG) vai insistir em fazer parte do governo Dilma Rousseff.  Ele está disposto a contestar a decisão da convenção nacional do partido, tomada neste sábado em Brasília, que proibiu a ocupação de cargos no governo federal por membros da legenda nos próximos 30 dias. Lopes defende que o PMDB continue no governo. “Nós temos responsabilidade com o país, temos o vice-presidente da República e elegemos a presidente Dilma. Devemos ficar no governo porque somos o partido da governabilidade”, disse o deputado, que é o secretário-geral da sigla, o segundo cargo mais importante.

A decisão da convenção, em tese, impede que Lopes assuma o posto já acertado com Dilma. Mas ele acredita que o diretório nacional pode encontrar uma solução que mantenha o PMDB no governo até as eleições presidenciais de 2018.

Veja a entrevista em vídeo de Mauro Lopes ao Congresso em Foco:

Hoje o partido tem seis ministros – Kátia Abreu (Agricultura), Marcelo Castro (Saúde), Henrique Eduardo Alves (Turismo), Celso Pansera (Ciência e Tecnologia), Helder Barbalho (Portos) e Eduardo Braga (Minas e Energia). A entrada de Lopes para mais um cargo na Esplanada é uma nova tentativa do governo de reorganizar sua base de apoio parlamentar no Congresso.

O diretório nacional do partido, que em 30 dias vai decidir se a legenda fica ou sai do governo, também vai se manifestar como ficará a situação dos seis ministros da legenda que ocupam pastas importantes no governo Dilma. Confirmada a decisão da convenção no diretório, os ministros peemedebistas que ficarem correrão o risco de expulsão ou de sofrer algum tipo de punição por desobediência a uma decisão da instância máxima da sigla.

Lopes faz parte do setor do PMDB que pretende continuar no governo até o final do mandato de Dilma. Ele acredita que ainda há como a legenda contribuir para a governabilidade e sonhar com a presidência da República em 2018. A maioria dos deputados já se manifestou contra a permanência da legenda no governo. Desse grupo faz parte lideranças como os senadores Roberto Requião (PR) e Jáder Barbalho (PA).

Mauro Lopes vai enfrentar problemas com a sua decisão. Os deputados que defendem a imediata saída do PMDB do governo ameaçam entrar com uma representação na comissão de ética da sigla, alegando que todos devem cumprir as decisões da convenção. “Se ele insistir em ir para o ministério, infelizmente vamos representar contra ele nas instâncias do partido”, avisa o deputado Carlos Marum (MS).

Mais sobre PMDB

Mais sobre crise na base

Continuar lendo