Pedro Taques será candidato contra Renan

Grupo formado por senadores da oposição e independentes fechou em uma candidatura única do pedetista contra o favorito Renan Calheiros para a presidência do Senado. Randolfe desiste

Após uma série de reuniões desde a manhã desta quinta-feira (31), o grupo formado por senadores independentes e da oposição resolveu lançar a candidatura única de Pedro Taques (PDT-MT) à presidência do Senado. Ele vai enfrentar amanhã o favorito Renan Calheiros (PMDB-AL), referendado hoje pela bancada peemedebista na Casa. A eleição está marcada para às 10h desta sexta-feira (1º).

Editorial do Congresso em Foco: a rendição do Parlamento ao chiqueiro da política

Tudo sobre a eleição da Mesa

Com a decisão, Randolfe Rodrigues (Psol-AP) decidiu desistir da candidatura. Durante todo o dia, houve uma série de reuniões do grupo de senadores. Acabou prevalecendo uma viabilidade maior em torno do nome do pedetista. A avaliação no grupo é que Taques receberia mais votos do que Randolfe, o que daria um peso maior ao protesto contra Renan. O nome do peemedebista está envolvido em polêmicas. “O momento é de reunir esforços para evitar que o Senado caminhe para o precipício”, afirmou Randolfe. Ele disse que a candidatura de Taques não é de oposição ao governo, mas de recuperação do Senado.

Taques lembrou que cerca de 250 mil pessoas endossaram abaixo-assinado na internet contr a eleição de Renan Calheiros. Ele disse ser preciso considerar a voz das ruas. “Esta não é uma candidatura minha, mas de vários partidos. Lançaremos amanhã um movimento de restauração do Legislativo”.

Na semana passada, o procurador-geral da República, Roberto Gurgel, denunciou o candidato favorito à presidência do Senado no caso das notas dos “bois de Alagoas”, derivado das suspeitas de ter despesas particulares pagas por um lobista de empreiteira após o parlamentar ter um filho com a jornalista Mônica Veloso. A expectativa é que o relator do inquérito no Supremo Tribunal Federal (STF), Ricardo Lewandowski, pronuncie-se sobre o caso neste semestre.

Denúncia contra Renan é consistente, diz Gurgel
Gurgel denuncia Renan no caso dos bois de Alagoas

Ontem (30), cerca de 30 pessoas participaram de uma manifestação contra a provável eleição de Renan como presidente do Senado. Impedidos pela segurança da Casa de lavar a rampa de entrada do prédio do Congresso Nacional, os manifestantes acabaram fazendo uma cruz com as próprias vassouras no gramado em frente à sede do Parlamento brasileiro.

Manifesto contra Renan tem mais de 250 mil adesões
Impedidas de limpar o Senado, entidades fazem cruz

Até o momento, as bancadas do Psol, PDT, DEM e PSDB manifestaram apoio à candidatura de Taques. Somadas, chegam a 21 votos. A expectativa é que os quatro senadores do PSB também votem no pedetista. Somadas, as bancadas têm 25 senadores. Além disso, conta-se com os votos de parlamentares de PT e do PMDB que são contra a candidatura de Renan, como Eduardo Suplicy (PT-SP) e Jarbas Vasconcelos (PMDB-PE).

PSB engrossa grupo anti-Renan no Senado
Suplicy pede para Renan desistir de candidatura

Atualizada às 19h54

CandidaturaEleição da MesaPedro Taquespresidência do SenadoRandolfe RodriguesRenan Calheiros