Pedido de investigação feito por Janot é “absurdo”, diz ministro do Turismo

Henrique Alves é suspeito de agir para beneficiar empreiteiras no Congresso, recebendo doações em contrapartida. “Mesmo identificando motivações políticas em sua publicação, não poderia silenciar diante de tamanho absurdo”, diz em nota

O ministro do Turismo, Henrique Eduardo Alves, contestou os termos do despacho em que o procurador-geral da República, Rodrigo Janot, pede ao Supremo Tribunal Federal (STF) a abertura de inquérito contra o ex-deputado peemedebista por suspeita de receber recursos desviados da Petrobras em troca de favores para a empreiteira OAS. Na mesma ação, Janot pede investigação também contra o presidente afastado da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), já réu na Operação Lava Jato, e o ex-presidente da empreiteira Léo Pinheiro.

Segundo reportagem do jornal Folha de S.Paulo, o procurador-geral vê indícios de que parte do dinheiro desviado da Petrobras abasteceu a campanha de Henrique Eduardo ao governo do Rio Grande do Norte em 2014. Naquele ano, ele perdeu a disputa para Robinson Faria (PSD). No pedido de inquérito, Janot diz que os dois peemedebistas atuaram para beneficiar empreiteiras no Congresso, recebendo doações em contrapartida. Eles são suspeitos de corrupção e lavagem de dinheiro.

Para Henrique Alves, trata-se de uma notícia reeditada da Folha usada em outras duas ocasiões. “Mesmo identificando motivações políticas em sua publicação, não poderia silenciar diante de tamanho absurdo”, reclama o ministro.

Leia a íntegra da resposta:

“Nota de esclarecimento – Henrique Eduardo Alves

A Folha de S.Paulo desta segunda-feira (6) repete informações veiculadas pelo mesmo jornal em 19 de dezembro de 2015 e 3 de maio de 2016 sem qualquer fato novo que justifique. Mesmo identificando motivações políticas em sua publicação, não poderia silenciar diante de tamanho absurdo, o que provarei quando tiver conhecimento do inteiro teor do inquérito – e não de destaques dolosos e de má fé – ou quando ao menos tiver recebido a preliminar citação.

Sobre as relações com políticos e empresários todas são pautadas pela ética, cordialidade, respeito recíprocos e a liturgia institucional do cargo público ocupado.

Henrique Eduardo Alves”

 

Mais sobre Operação Lava Jato

Continuar lendo

Assine e obtenha atualizações em tempo real em seu dispositivo!