Estamos mudando o site. Participe enviando seus comentários por aqui.

Pedido de impeachment de Janot sob análise da equipe jurídica do Senado

Renan Calheiros disse que outros pedidos de impeachment contra o procurador-geral da República continuam chegando. Outra denúncia por crime de responsabilidade foi protocolada ontem na Secretaria Geral da Mesa

O presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), disse nesta quarta-feira (22) que encaminhou o pedido de impeachment do procurador-geral da República, Rodrigo Janot, para a advocacia-geral do Senado, e, portanto, não se pronunciará sobre o caso. Segundo o senador, a denúncia contra Janot foi aditada na última segunda-feira (20) e, por isso, foi enviada ontem (21) para análise da equipe jurídica da Casa.

"Eu não sou de fazer chantagem", afirmou Renan. "Quem me conhece, quem convive comigo sabe disso. Eu apenas dei uma informação", acrescentou, em resposta às especulações de que ele estaria utilizando o julgamento do pedido de impeachment de Janot como forma de intimidação, uma vez que foi alvo de pedido de prisãodo PGR ao STF. A solicitação foi negada pelo relator da Lava Jato no Supremo, Teori Zavascki,

O presidente do Senado ainda disse que outros pedidos de impeachment contra Janot continuam chegando. Outra denúncia por crime de responsabilidade foi protocolada ontem (21) na Secretaria Geral da Mesa pelo advogado Gustavo Haddad Francisco Sampaio Braga. "O inusitado é que estão chegando outros pedidos. Do ponto de vista do Senado, que não faz parte da crise, o Senado é a solução da crise, nós vamos ter total responsabilidade e não vamos desbordar do nosso papel constitucional", declarou o peemedebista.

O senador preferiu não comentar a entrevista dada pelo presidente interino na manhã de hoje, em que Michel Temer avaliou que o impeachment de Janot "não vale a pena". Temer ainda disse que, a seu ver, o procurador-geral da República “fez seu papel” ao pedir ao Supremo Tribunal Federal as prisões de membros da cúpula do PMDB.

denúncia contra Janot que foi encaminhada para análise da equipe jurídica do Senado foi protocolada na última segunda-feira (13), pelas advogadas Beatriz Kices e Cláudia Faria de Castro, ligadas a movimentos pró-impeachment da presidente Dilma. Segundo as autoras, ao pedir a prisão preventiva de membros da cúpula do PMDB, Janot concedeu tratamento diferenciado ao partido, uma vez que não tratou com a mesma rigidez nem a presidente Dilma nem seu antecessor, Lula, envolvidos em “situações análogas” na Lava Jato, de acordo com elas.

Mais sobre impeachment

Mais sobre crise brasileira

Continuar lendo