Partido da extrema esquerda, PSTU lança operária sapateira como pré-candidata à Presidência da República

 

O Partido Socialista dos Trabalhadores Unificados (PSTU) terá uma chapa presidencial “negra e nordestina” na disputa eleitoral de outubro próximo. Como informa a assessoria de imprensa da legenda, está lançada a pré-candidatura da operária sapateira Vera Lúcia para a Presidência da República. Mulher negra, “Vera é uma reconhecida ativista sindical e política de Sergipe", diz o comunicado do partido, e figura "em primeiro lugar em pesquisa espontânea para o governo do estado".

Aos 50 anos, informa o PSTU, Vera é natural do sertão pernambucano e migrou, para fugir da inclemente seca nordestina, com parte da família para a periferia de Aracaju, a capital sergipana. "Começou a trabalhar como costureira na produção de sapatos aos 19 anos, iniciando aí sua militância sindical. Foi expulsa do PT em 1992 por defender o “Fora Collor” junto com a corrente que daria origem ao PSTU dois anos depois", acrescenta o comunicado.

O indicado do partido como pré-candidato à Vice-Presidência da República é Hertz Dias, professor da rede pública. Aos 47 anos, natural da região metropolitana de São Luís do Maranhão, Hertz é militante do movimento negro, especialmente no universo hip hop, estilo cultural que reúne música, dança, grafites e outros elementos e teve origem nos guetos norte-americanos.

Divulgação/PSTU

León Trotsky na cabeça: Vera Lúcia fugiu da seca com a família e hoje encabeça chapa presidencial

O PSTU informa ainda que Hertz é um dos fundadores do Movimento Hip Hop Militante Quilombo Brasil, grupo que tem diversas ramificações Brasil afora. Além disso, é vocalista do grupo Gíria Vermelha, que tem como marca registrada canções de protesto “repletas de críticas sociais”.

Por ocasião do anúncio da chapa puro sangue negra, o partido lança também o manifesto “Um chamado à rebelião! Um projeto socialista contra a crise capitalista”. Segundo a legenda, o propósito central do manifesto é “discutir com o ativismo, nas fábricas, escolas e periferias, a construção de um programa socialista nas eleições de 2018”. Com o documento, o PSTU se apresenta como contraponto à política hegemônica representada nas figuras do presidente Michel Temer (MDB), do ministro Henrique Meirelles (Fazenda, filiado ao PSD) e do presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DE-RJ), os três vistos como potenciais candidatos ao Palácio do Planalto como nomes do centro no espectro ideológico-partidário.

Leia a íntegra do manifesto

“Está se desenhando hoje uma candidatura do governo. Henrique Meirelles, Rodrigo Maia ou o próprio Temer. De outro lado, tem o PT com Lula ou outro indicado por ele, que representam mais da mesma política que nos trouxe desemprego e ataques aos direitos que vivemos hoje. Já candidaturas como a do Psol, com Guilherme Boulos, não se propõem a ir além do capitalismo. Por isso, estamos apresentando uma proposta nitidamente socialista, que mostre que só os trabalhadores e o povo pobre organizado podem dar uma saída para essa crise”, afirma o presidente nacional do PSTU, José Maria de Almeida, ex-candidato à Presidência da República nas últimas eleições.

 

Leia entrevistas com a principal liderança do PSTU:

<< Lula foi contra a criação do PT, diz Zé Maria

<< Zé Maria: “Lula nunca foi de esquerda”

Continuar lendo

Assine e obtenha atualizações em tempo real em seu dispositivo!