Parlamentares devedores da Receita moldam novo Refis em causa própria

Conforme revela o jornal Folha de S. Paulo, parlamentares que devem à União R$ 3 bilhões em tributos inscritos na dívida ativa tentam se beneficiar com o perdão dos débitos. Relator da proposta deve R$ 67,8 milhões em nome de suas empresas

A Medida Provisória 766, que institui o Programa de Regularização Tributária (PRT), conhecido também como o novo Refis, está sendo remodelada na Câmara dos Deputados e prevê alterações na regra de parcelamento de débitos federais de natureza tributária ou não tributária vencidos até o dia 30 de novembro de 2016. Na Câmara, o relator da proposta é o deputado federal Newton Cardoso Jr (PMDB-MG), que deve R$ 67,8 milhões em nome de suas empresas e será um dos beneficiados – conforme apontou reportagem do jornal Folha de S.Paulo desta segunda-feira (24). O parlamentar apresentará relatório nesta terça-feira (25).

Conforme revela o jornal, parlamentares que devem à União R$ 3 bilhões em tributos inscritos na dívida ativa tentam se beneficiar com o perdão dos débitos. De acordo com o deputado, o relatório está pronto e deve ser apresentado nesta terça-feira (25). Ao todo, deputados e senadores submeteram ao relator 376 emendas ao texto enviado pelo Executivo.

Quase metade das emendas vieram de parlamentares devedores. “Outra parcela, 37%, foi apresentada por congressistas que se elegeram com doação de empresas inscritas na dívida ativa da União”, conforme diz o jornal. De acordo com o levantamento da Folha, na Câmara, 291 deputados devem R$ 1 bilhão em nome próprio, de empresas controladas por eles ou de que são sócios. Uma parte dessa dívida, R$ 724,6 bilhões, está com empresas controladas por um grupo de 190 deputados.

No Senado, 46 senadores devem R$ 2 bilhões. Mais da metade desse valor, no entanto, é devida pelo senador Zezé Perrella (PMDB-MG). O parlamentar deve R$ 1,7 bilhão em nome do do Frigorífico Cristal.

Proposta

Entre as propostas que devem ser apresentadas amanhã, no novo texto, está o aumento no prazo do parcelamento, que deixaria de ser em 120 meses e passaria a 180. Além disso, aos que optarem pelo pagamento à vista, a proposta prevê desconto de 90% nas multas e juros. Já no caso de parcelamento, os parlamentares pretendem criar escalas de 70% a 85% de desconto.

No caso dos parcelamentos, a empresa poderia fazer o cálculo com base na sua capacidade de pagamento, que seria determinada a partir do faturamento bruto. Já com relação a taxa de juros a ser aplicada, em vez da taxa referencial do Sistema Especial de Liquidação e de Custódia (Selic), que hoje está em 11,25%, o texto propõe a aplicação da Taxa de Juros de Longo Prazo (TJLP) que está em 7,5% ao ano.

Também podem ser incluídos no PRT os débitos de parcelamentos anteriores, rescindidos ou ativos, que ainda sejam objeto de discussão administrativa ou judicial, ou de lançamento de ofício realizados após a publicação da MP que, segundo prevê o relator, deve ser aprovada até junho.

Ao jornal, deputados e senadores envolvidos nas discussões e procurados para falar sobre o PRT negaram conflito de interesse em suas atuações no projeto do novo Refis.

Leia matéria da Folha de S. Paulo na íntegra

Congresso Nacionalcrise brasileiraDeputado federaleconomiaeconomia brasileiraempresasfiscoFrigorífico CristalNovo RefisNovo Regime FiscalpicturesPrograma de Regularização TributáriaPRTReceita FederalrefisSelicSenadoSistema Especial de Liquidação e de CustódiaTaxa de Juros de Longo PrazoTJLPzezé perrella