Padilha: médicos vão trabalhar ligados às faculdades

Ministro da Saúde afirmou nesta terça-feira que estágio obrigatório no SUS durante dois anos será nas cidades ou regiões dos estudantes de medicina

O ministro da Saúde, Alexandre Padilha, afirmou nesta terça-feira (9) que os médicos farão o estágio obrigatório de dois anos no Sistema Único de saúde (SUS) será nas cidades e regiões metropolitanas das faculdades onde estudam. Segundo o titular da pasta, não é uma forma de serviço social obrigatório, em que o estudante é removido para uma área definida pelo governo, mas sim um trabalho localizado e remunerado.

"Os médicos vão continuar trabalhando ligando às faculdades onde estudam", disse Padilha. Além disso, o ministro da Saúde ressaltou que o médico em treinamento receberá uma bolsa, cujo valor ainda não foi determinado pelo governo. Ele adiantou, porém, que a quantia será maior do que é atualmente pago na bolsa de residente.

Padilha esteve no Congresso para reforçar a necessidade de os parlamentares aprovarem a Medida Provisória 621/13, que institui o programa Mais Médicos. O texto começou a tramitar hoje na Câmara. "Esta é uma medida importante, mas transitória para levar médicos para o Brasil. Estamos abertos a discutir outras formas para aumentar a presença [de médicos]", disse.

Ele voltou a dizer que o programa lançado ontem pela presidenta Dilma Rousseff não vai tirar empregos de brasileiros. O ministro reforçou que os estrangeiros terão um registro provisório, válido por até três anos e com função específica. Além disso, eles passarão por uma avaliação para poder tabalhar no país.

A íntegra da medida provisória

Mais sobre saúde

Continuar lendo

Assine e obtenha atualizações em tempo real em seu dispositivo!