Os 30 deputados que mais faltaram

Deputados com o maior número de faltas (todos os que tiveram 200 faltas ou mais entre 2003 e 2007)
 
1) Osvaldo Coelho (PFL-PE) 

Número total de faltas: 307 (50,5%)

Total de sessões deliberativas realizadas no período: 608 (100,0%)  
Total de presença nas sessões deliberativas: 301 (49,5%) 
Total de ausências justificadas em sessões deliberativas: 304 (50,0%) 
Total de ausências não justificadas em sessões deliberativas: 3 (0,5%)  

Do total de 307 faltas, o deputado abonou 77 para tratamentos de saúde e o restante foi justificado como missão oficial autorizada. O deputado concluiu, em 2006, o seu oitavo mandato. Osvaldo deixou de justificar outras 3 faltas.

De acordo com a assessoria do parlamentar, todas as suas faltas foram justificadas dentro das normas previstas pelo regimento interno da Câmara. Isso incluiria tanto as faltas por licença médica como as missões oficiais autorizadas.   

2) João Herrmann Neto (PDT-SP)

Número total de faltas: 300 (49,3%)

Total de sessões deliberativas realizadas no período: 608 (100,0%)  
Total de presença nas sessões deliberativas: 308 (50,7%) 
Total de ausências justificadas em sessões deliberativas: 298 (49,0%)
Total de ausências não justificadas em sessões deliberativas: 2 (0,3%)  

Do total de 300 faltas, o deputado justificou 66 por licença médica e o restante foi abonado por missão oficial autorizada. João Herrmann deixou de justificar outras 2 faltas.

O deputado justifica suas faltas pela condição de integrante da Comissão de Relações Exteriores. "É preciso ter clareza quanto à importância do trabalho parlamentar voltado para a promoção das relações exteriores e que tragam evolução ao posicionamento do Brasil perante o mundo”, afirma.
 
O parlamentar diz se orgulhar da formação construída ao longo de seus cinco mandatos. “Eu não posso ver como deplorável o fato de ter escolhido um campo de trabalho como parlamentar. Uns trabalham no campo da agricultura, outros, no comércio, esse é o meu campo”, acrescenta.

Herrmann destaca suas participações em missões de paz em vários paises como Timor Leste e Haiti e sua recente missão no Japão com o objetivo de inserir o etanol brasileiro no mercado nipônico. “Uma coisa é você ter a virtude, e se paga por ela pela falta em plenário e a não compreensão deste trabalho. Eu tenho me dedicado a isso constantemente, com o objetivo de honrar meu país como interlocutor mundial”, diz.

3) José Janene (PP-PR)

Número total de faltas: 295 (49,8%)

Total de sessões deliberativas realizadas no período: 592 (100,0%)  
Total de presença nas sessões deliberativas: 297 (50,2%) 
Total de ausências justificadas em sessões deliberativas: 290 (49,0%) 
Total de ausências não justificadas em sessões deliberativas: 5 (0,8%)  

Do total de 295 faltas, o deputado justificou a maioria das delas por tratamento de saúde. Janene licenciou-se do mandato para tratamento de saúde por 60 dias em 6 de janeiro de 2006, por 90 dias em 7 de março de 2006 e por 40 dias em 26 de abril de 2006. Seu retornou ocorreu em 5 de junho de 2006. Leia mais sobre o deputado, acusado de ser um dos principais operadores do mensalão, mas que foi inocentado pelo plenário da Câmara em dezembro de 2006. 

4) Ney Lopes (PFL-RN)

Número total de faltas: 284 (46,7%)

Total de sessões deliberativas realizadas no período: 608 (100,0%)  
Total de presença nas sessões deliberativas: 324 (53,3%)
Total de ausências justificadas em sessões deliberativas: 282 (46,4%) 
Total de ausências não justificadas em sessões deliberativas: 2  (0,3%)  

Do total de 284 faltas, o deputado justificou 77 por licença médica e o restante foi abonado por missão oficial autorizada. Ney Lopes deixou de justificar outras 2 faltas.

Por meio de sua assessoria, o deputado disse que se ausentou do plenário porque era presidente do Parlamento Latino-Americano (Parlatino) até o final do ano passado e por desempenhar as funções de procurador da Câmara junto ao Supremo Tribunal Federal (STF) e Superior Tribunal de Justiça (STJ).

5) Vicente Cascione (PTB-SP)

Número total de faltas: 262 (43,1%)

Total de sessões deliberativas realizadas no período: 608 (100,0%)  
Total de presença nas sessões deliberativas: 346 (56,9%)
Total de ausências justificadas em sessões deliberativas: 251 (41,3%) 
Total de ausências não justificadas em sessões deliberativas: 11 (1,8%)  

Do total de 262 faltas, o deputado justificou apenas 23 por licença médica e o restante foi abonado por missão oficial autorizada. Vicente Cascione deixou de justificar outras 11 faltas.

6) Geddel Vieira Lima (PMDB-BA)

Número total de faltas: 257 (42,3%)

Total de sessões deliberativas realizadas no período: 608 (100,0%)  
Total de presença nas sessões deliberativas: 351 (57,7%) 
Total de ausências justificadas em sessões deliberativas: 240 (39,5%) 
Total de ausências não justificadas em sessões deliberativas: 17 (2,8%)  

Do total de 257 faltas, o deputado justificou apenas 2 por licença médica e o restante foi abonado por missão oficial autorizada. Geddel deixou de justificar outras 17 faltas.

Geddel disse em entrevista ao Congresso em Foco que suas faltas são justificadas automaticamente por ser integrante da Mesa Diretora, assim como dos outros parlamentares incluídos nesses cargos administrativos da Câmara. O deputado também justificou suas ausências em plenário pelas funções de liderança no seu partido e como presidente da Comissão de Tributação e Finanças. “É preciso trocar o nome de missão oficial autorizada para a identificação de integrante da Mesa ou presidente de comissão. Eu estive a maior parte do tempo na Câmara, mas às vezes não conseguia chegar a

Continuar lendo

Assine e obtenha atualizações em tempo real em seu dispositivo!