Orçamento com déficit mostra que não há maquiagem nas contas, diz Temer

Para vice-presidente, envio de projeto de lei orçamentária com déficit ao Congresso mostra transparência absoluta do governo

O vice-presidente Michel Temer afirmou nesta segunda-feira (31) que as notícias de que o Executivo entregará o projeto de lei orçamentária de 2016 com a previsão de déficit mostram transparência absoluta do governo. “Não há maquiagem nas contas”, disse Temer, durante palestra no Fórum Exame, na capital paulista.

Segundo Temer, o governo abandonou a ideia do retorno da Contribuição Provisória sobre Movimentação Financeira (CPMF), cuja reativação foi discutida “de última hora”, e "muitas vozes" se levantaram contra. “Precisamos preparar o ambiente, ou teremos derrotas fragorosas no Congresso”, declarou. “O que a sociedade não aplaude é o retorno repentino da CPMF”, afirmou.

Temer falou também sobre a possibilidade de aumento de impostos. “Não vamos pensar em uma carga tributária mais elevada”, disse ele. Após a declaração, o vice-presidente foi aplaudido pela plateia, formada principalmente por empresários. “Vou levar esse aplauso para o [ministro da Fazenda, Joaquim] Levy e para o [ministro do Planejamento Joaquim] Barbosa.”

O vice-presidente comentou ainda o uso indiscriminado da palavra crise. Para ele, o país enfrenta uma crise econômica e politica, já que o governo não consegue pleno apoio do Congresso Nacional, mas não uma crise institucional. “Não temos uma crise institucional, porque o Legislativo, o Judiciário estão funcionando com extrema liberdade”, ressaltou.

Michel Temer criticou o número excessivo de partidos políticos no Brasil. Para ele, tais partidos não passam hoje de meras siglas partidárias. “Eu considero dificílimo governar um país com 32 partidos”, afirmou o vice-presidente, que  defendeu uma reforma político-partidária para devolver a credibilidade às siglas.

Mais sobre orçamento

Continuar lendo

Assine e obtenha atualizações em tempo real em seu dispositivo!