ONG lança vaquinha virtual para checar discursos de candidatos ao governo do RS

 

A ONG de jornalismo e direitos humanos Pensamento.org está com uma vaquinha virtual no ar para viabilizar a realização do Filtro Fact-checking, iniciativa de checagem de fatos que vai apurar a veracidade de discursos de candidatos ao governo do Rio Grande do Sul nas eleições deste ano.

A iniciativa de fact-checking, movimento crescente em tempos de fake news e pós-verdade, pretende arrecadar R$ 13 mil para acompanhar discursos, entrevistas, programas eleitorais e perfis públicos dos candidatos gaúchos. O trabalho permite verificar se o que eles dizem tem fundamento em dados confiáveis e fatos comprováveis, com base no código de princípios e na metodologia de trabalho da International Fact-checking Network.

As doações estão sendo arrecadadas por meio do site www.catarse.me/filtro2018.

“Acreditamos que informação de qualidade ajuda os cidadãos a tomarem melhores decisões. Por isso, escolhemos começar nossa operação com o Filtro durante as eleições de 2018”, diz texto de lançamento da campanha.

O projeto é capitaneado pela jornalista Taís Seibt, que estuda a prática de verificação de fatos no Brasil em sua pesquisa de doutorado na UFRGS.

“Já tivemos experiências pontuais de checagem em veículos locais, mas faltava uma iniciativa integralmente dedicada a esse trabalho com foco nas questões regionais. O Filtro surge para preencher esta lacuna”, destaca Seibt, que tem passagem pela redação de Zero Hora e trabalhos como freelancer para veículos como O Estado de S. PauloBBC Brasil.

Também integram a equipe os jornalistas Tiago Lobo, criador da Pensamento.org, e Naira Hofmeister, que tem experiência no desenvolvimento de grandes reportagens financiadas por doações virtuais, como o Dossiê Cais Mauá. A intenção da campanha é produzir checagens durante o período da propaganda eleitoral gratuita no rádio e na televisão, que vai de 31/08/2018 até 04/10/2018, no primeiro turno, conforme calendário eleitoral de 2018 divulgado pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE).

Além da contratação de profissionais, o valor arrecadado na campanha cobrirá custos operacionais da redação. As recompensas incluem e-books exclusivos como o “Guia Prático do Fact-checking” e a participação em workshops sobre “Como reconhecer notícias falsas”. Foi criada ainda uma cota institucional, no intuito de incentivar universidades, escolas e empresas a contratarem oficinas de formação em checagem de fatos, como contrapartida pela colaboração. Diversos cursos já estão agendados.

Para saber mais sobre o projeto, acesse www.pensamento.org/filtro e curta @checagensfiltro no Facebook.

 

<< Gleisi faz defesa de Lula ao “mundo árabe”, provoca guerra de versões no Congresso e vira alvo de fake news

<< Eletrobras pagou quase R$ 2 milhões para que falassem mal da própria empresa

Continuar lendo

Assine e obtenha atualizações em tempo real em seu dispositivo!